Handmaid's News

Gilead


A República de Gilead, comumente chamada simplesmente por Gilead, é o regime autoritário e teocrático que toma conta dos Estados Unidos em The Handmaid's Tale. O regime pode ser visto como o principal antagonista do livro de Margaret Atwood e da adaptação em série do Hulu.

Origens

A origem da República de Gilead não é totalmente clara, principalmente porque todas as informações sobre ela vêm dos relatos de June, que tem conhecimento limitado ou pode ser vista como uma narradora não confiável no livro. Parece que Gilead começou originalmente com vários grupos extremistas religiosos que acreditavam que a América precisava ser "salva" do pecado e da corrupção. De acordo com a transcrição da conferência no final do livro, estes se uniram em uma única conspiração que se referiu a si mesma como "Sons of Jacob/ Os Filhos de Jacó".

Por fim, os Filhos de Jacó planejaram e executaram um elaborado golpe de estado contra o governo dos Estados Unidos. Através de uma série de ataques coordenados, eles assassinaram o Presidente dos EUA e membros do Congresso (livro), bem como funcionários da Casa Branca e todos os nove juízes da Suprema Corte (série). Culpando os ataques a "fanáticos islâmicos", "o exército declarou estado de emergência". Em rápida sucessão, a Constituição dos Estados Unidos foi suspensa, contas bancárias foram congeladas e todas as mulheres empregadas foram demitidas de seus empregos. Offred relembra que todo o golpe aconteceu tão rapidamente que a população em geral ficou sem reação, já que os próprios Filhos de Jacó expulsaram as mulheres dos locais de trabalho. Houve algumas marchas de protesto no início, mas o novo governo dos Filhos de Jacó reagiu imediatamente com uma agressão brusca; ela implantou seus próprios soldados - os Guardiões - para massacrar impiedosamente os manifestantes desarmados, em vez de dispersá-los. Depois que os primeiros protestos foram reprimidos com tamanha brutalidade, a população ficou apavorada demais para montar qualquer reação adicional (livro). No entanto, as ações deles contra manifestantes desarmados atiçaram chamas na Resistência armada, grupos rebeldes e civis em todo o país começaram a se armarem contra o regime dos Filhos de Jacó.

O novo governo começou a caçar rapidamente qualquer um que eles considerassem uma ameaça. Isso incluía ativistas políticos, médicos, membros de outros grupos religioso, minorias de gênero e intelectuais. A República de Gilead foi declarada como o estado sucessor dos Estados Unidos da América. No entanto, pelo menos alguns oficiais civis e militares americanos sobreviveram ao golpe e fugiram para o Alasca, onde declararam a nova capital dos EUA em Anchorage, resultando em uma Segunda Guerra Civil Americana.

Geografia

Na série, uma cena do episódio Holly dentro da casa dos Mackenzie mostra três mapas ao longo da parede. Ao procurar pelas chaves, mapas podem ser encontrados por trás de Offred na parede que mostram o início, meio e fases posteriores da guerra civil entre os EUA e Gilead. O resultado final sendo as forças americanas sendo expulsas para fora dos 48 estados.

Mapa de Gilead

Um mapa revelado durante um evento do final da segunda temporada revelou toda a extensão da República de Gilead. Pode-se inferir que as zonas destacadas em azul são territórios controlados exclusivamente pela República de Gilead. Isso está de acordo com os detalhes limitados do romance e com o fato de que a maior parte da ação do romance ocorreu na Costa Leste e porque Washington foi a primeira a "cair", dados os ataques ao Congresso, a Casa Branca, e o Supremo Tribunal.

Os estados que compõem a República de Gilead em ocupação completa são: Minnesota, Wisconsin, Illinois, Michigan, Indiana, Ohio, Tennessee, Kentucky, Virgínia Ocidental, Virgínia, Carolina do Norte, Maryland, Pensilvânia, Delaware, Nova Jersey, Nova York, Connecticut, Rhode Island, Maine, Vermont, New Hampshire e Massachusetts.

As zonas destacadas em amarelo podem significar que toda a região no oeste e centro-oeste foram destruídas como resultado da guerra civil após a tomada. Isso se deve ao fato de que existem quatro símbolos radioativos, nos quais as Colônias estão localizadas - os locais das Colônias são Arizona, Califórnia e Missouri.

Zonas de vermelho escuro, localizadas tanto no oeste, centro-oeste e sul, poderiam ser locais de guerra ativa entre rebeldes dos antigos Estados Unidos da América e Guardiões - o exército da República de Gilead. Pode-se supor que as zonas destacadas em um tom mais claro de vermelho são áreas onde a guerra pode ser leve e Gilead está se aproximando de uma tomada bem-sucedida (ou o território ainda está sendo contestado por forças militares americanas, rebeldes e milícias civis). Além das áreas rebeldes mencionadas, há uma grande fortaleza rebelde americana localizada na Nova Inglaterra, com essa fortaleza centralizada em Vermont e partes de New Hampshire, Maine e Nova York.











Em seu monólogo interior no episódio dois, June menciona que "Guardiões e soldados americanos ainda lutam com tanques nos restos de Chicago", confirmando que a Segunda Guerra Civil Americana ainda está em andamento. Além disso, o governo oficial dos Estados Unidos que opera em Anchorage tem controle total sobre o Alasca e o Havaí. Seu nível de influência sobre as áreas controladas pelos rebeldes dos ex-EUA, como Califórnia e Texas continua. Uma nova bandeira foi criada do remanescente governo dos Estados Unidos, com apenas duas estrelas preenchidas, e o restante apenas esboça.

Outras áreas denominadas "Colônias" existem, que foram ecologicamente contaminadas - aparentemente devido a uma mistura de poluição industrial, acidentes nucleares e guerra química. As Colônias estão localizadas no que já foi o centro-oeste e sudoeste americano. Gilead condenou quem considerada traidores ao trabalho escravo na limpeza das Colônias, que é essencialmente uma sentença de morte, a não ser que as mulheres consigam sair como na série.

Não se sabe muito sobre as relações exteriores de Gilead, devido à extrema censura da mídia. Pode-se supor que a grande maioria do mundo vê a República de Gilead como um regime ilegítimo e ainda vê o governo dos Estados Unidos no exílio como o verdadeiro governo legítimo (a série menciona um embargo da ONU contra Gilead). O Reino Unido impôs sanções a Gilead e elevou o limite para os refugiados americanos que se mudaram do Canadá, segundo a "Radio Free America" no episódio onze onde Oprah narra as notícias da Resistência.

Refugiados de Gilead tentam fugir para o Canadá ou a Europa, que aparentemente ainda são sociedades livres com influência mínima de Gilead. Várias campanhas "Save the Women" existem na Inglaterra para ex-aias que conseguiram fugir.

Sociedade e política

Pouco se sabe de como o governo de Gilead funciona, pode-se supor que o país tenha um Senado ou órgão governamental similar. Na série esses órgãos são referidos como o "Comitê", ou (em nível local) "Conselho" como um grupo de Comandantes locais, com o comandante Pryce como seu presidente até o episódio da explosão do Centro Vermelho. Há fortes evidências de que a República de Gilead aboliu o sistema federal de governo, bem como estados americanos e se tornou uma república só com um governo centralizado. Uma prova disso pode ser encontrada no episódio seis da série com o assessor da embaixada mexicana dizendo a June que seu marido Luke ainda está vivo no Canadá mencionando seus detalhes e local de nascimento, no qual o assessor diz "ex-estado de Nova York ".

Nos primeiros anos de Gilead, os novos líderes da nação (na forma dos Filhos de Jacó) estavam entre os primeiros defensores do regime. Quando os Filhos de Jacó estabeleceram a República de Gilead, o novo regime suspendeu e eliminou a Constituição dos Estados Unidos e todos os direitos e liberdades dos cidadãos dos Estados Unidos como, por exemplo, liberdade de expressão, liberdade de imprensa, liberdade de religião, o direito de manter e portar armas, a liberdade de escolha, o direito a um julgamento justo em um tribunal, proteção contra punições cruéis e incomuns, entre outros.

Continua após a publicidade


Gilead tem um sistema de classes e hierarquia rigoroso, com todos sendo designados para uma determinada classe e espera-se que desempenhem determinadas funções. Os homens de alto escalão que governam Gilead são conhecidos como  "Commanders of the Faithful/ Comandantes dos Fiéis". Os Olhos servem como força policial e espiões de Gilead. Guardiões servem como guarda-costas, oficiais de segurança e motoristas aos Comandantes, enquanto os Anjos servem como soldados e podem se tornar de alto escalão se servirem bem ao seu país. Em relação à maioria da população masculina em Gilead, eles agora são classificados como Econopeople e parece que eles não são tratados diferentemente dos trabalhadores escravos, com a maioria dos homens em Gilead vestindo roupas com o mesmo esquema de cores cinza das Marthas.

Gilead é uma sociedade patriarcal, com apenas homens tendo acesso à educação e mantendo posições políticas. As mulheres são vistas como cidadãs de segunda classe, pois não podem ter propriedades ou ser empregadas, e devem submeter-se à autoridade dos homens. Mulheres, exceto as Tias, são proibidas de ler ou escrever. A classe mais baixa de mulheres é provavelmente as Econowives, que são casadas ​​com homens pobres ou de baixa patente e devem cumprir todas as funções de uma mulher de Gilead. Esposas são provavelmente as mulheres de maior nível, embora ainda permaneçam oprimidas. Unwomen e criminosas similares ou traidoras não são consideradas cidadãs. As Esposas e as Tias são de classes sociais mais altas, possuindo uma quantidade considerável de influência, poder e controle sobre as pessoas que estão abaixo delas, ao ponto de alguns dos homens de alto escalão de Gilead terem medo delas. Um exemplo do poder e influência das Esposas com os Comandantes é a quantidade de influência que Naomi Putnam teve sobre o comandante Pryce ao ter a mão esquerda do marido amputada pela traição com Janine. Outro exemplo do poder e influência das Tias pode ser visto quando a Tia Lydia espanca e torturara June com uma máquina de choque durante uma interrogação pelas suspeitas das interações dela com Emily. Durante o interrogatório, o Olho que realizou o interrogatório não interveio em impedir a Tia Lydia de agredir June.

Gilead é um regime estrito e totalitário que baseia suas leis e costumes em torno de uma interpretação literalista e fundamentalista da Bíblia cristã, em particular do Antigo Testamento. Por isso, muitos de seus ensinamentos e legislações são influenciados por sua própria interpretação rígida das escrituras. A lei é absoluta em Gilead. Qualquer violação de regras ou subversão deve ser relatada e severamente punida. Criminosos são frequentemente executados e seus corpos exibidos como um aviso, os Olhos também usam tortura e outras táticas brutais de interrogação com seus prisioneiros.

Todos os cidadãos devem seguir a versão oficial do cristianismo de Gilead. Nenhuma outra religião ou sistema de crenças é tolerado, quando Gilead subiu ao poder, os de outras religiões e de outras denominações cristãs foram forçados a se converter em penas de prisão ou morte. O povo judeu recebeu a opção de converter ou partir para Israel. Está implícito no romance que aqueles que escolheram sair foram mortos em segredo.

As execuções são chamadas de "Salvagings" e são feitas em público. As mulheres são executadas por enforcamento. Aqueles que são poupados da execução podem ser enviados para as Colônias tóxicas, onde a vida é curta e brutal. Alguns consideram ser enviado para as Colônias como um destino pior do que a morte. Outras punições impostas aos que infringem as leis de Gilead incluem a amputação cirúrgica de partes do corpo, por exemplo, dedos, mãos e olhos, como do Comandante Putnam e de Serena.

A internet e as notícias são fortemente censuradas e muitas vezes incluem propaganda para promover os ideais e valores de Gilead, enquanto demonizam seus inimigos. Como resultado, é difícil obter informações confiáveis. Para desencorajar as mulheres de ler, escritos públicos ou nomes de qualquer tipo, incluindo sinais de loja, são removidos. A informação é retransmitida por sinais com imagens. Qualquer arte, filme, música, programas de televisão, livros e qualquer material publicado são proibidos de imediato e qualquer pessoa que possua esses itens é severamente punida, por exemplo, condenada à morte.

Os nomes de Gilead para lojas, ruas e certos conceitos ou práticas são frequentemente derivados das escrituras da Bíblia. O nome Gilead em si é retirado da Bíblia, referindo-se a vários locais e indivíduos diferentes e geralmente traduzido como "morro do testemunho".

Classes Sociais/ Castas

Homens:

Comandante
Olho
Anjo
Guardião

Mulheres:

Esposa
Tia
Martha
Econowives/ Econopeople
Unwomen

Crenças

É mais provável que os líderes de Gilead sejam um culto cristão extremista. Eles acreditam que sua interpretação estrita da Bíblia é a verdade absoluta, e que para que as pessoas alcancem a salvação e tenham uma vida pura e piedosa, elas devem seguir estas. Fazer o contrário é visto como vida em pecado, e os culpados devem se arrepender ou ser erradicados para evitar que eles espalhem sua influência aos outros.

Acredita-se que as mulheres sejam o sexo "menor", que deveria estar sujeito aos homens. O principal objetivo da mulher nesta sociedade é gerar e criar filhos, que recebem particular ênfase devido à possível infertilidade presente nos EUA na época. As mulheres não podem participar do governo, estudarem, possuírem propriedades ou terem uma carreira profissional. Por lei, só as mulheres podem ser consideradas inférteis, não os homens, colocando assim a culpa pela crise da fertilidade apenas nas mulheres. Por causa dessas crenças, os homens não podem ser inférteis, mesmo se este for o caso, sugerir o contrário é crime.

Pureza em todas em todos os estágios da vida são muito enfatizadas, particularmente para as mulheres, que se acredita serem mais propensas à fraqueza de caráter e pecado. Aborto e contracepção são considerados alguns dos maiores pecados. Médicos que realizaram abortos antes do estabelecimento de Gilead foram executados. O adultério ou a confraternização entre homens e mulheres é visto como "fornicação" e é punido com a morte por todos os envolvidos. A homossexualidade, conhecida como "Traição de Gênero", é considerada um pecado e um crime punível com a morte.

Os "Filhos de Jacó" que fundaram Gilead eram essencialmente uma junta de homens heterossexuais (e suas Esposas) e mulheres que queriam tomar o poder para si num regime totalitário, usando armadilhas distorcidas do cristianismo como propaganda e base para um sistema de governo. Alguns de seus inimigos mais entrincheirados, no entanto, são outras denominações cristãs tradicionais (por exemplo, católicos romanos, protestantes, ortodoxos orientais) que os Filhos de Jacó/ República de Gilead consideram como sendo do mal e traidores. "Os católicos abominam-nos por forçar as freiras a serem escravizadas sexualmente como aias", e o livro faz menção, no prefácio da edição americana de 2017 de que os militares de Gilead estão lutando contra uma insurgência de grupos católicos no sul dos Estados Unidos.

Os líderes de Gilead estão engajados na deportação em massa de judeus da América para Israel, enfiando-os em navios de carga. No livro, Gilead também discrimina os afro-americanos, a quem eles se referem em sua retórica religiosa como os "Children of Ham/ Filhos do Presépio" (embora esse preconceito aparentemente esteja ausente na série).

Enquanto alguns dos líderes e fundadores de Gilead estão inclinados a acreditar verdadeiramente no regime, sugere-se que muitos deles apenas usam Gilead como um meio de obter poder para si mesmos. Eles não se importam com seus valores e ideais, e regularmente desrespeitam suas regras enquanto punem os outros que o fazem.

Período pós-Gilead

Ao que parece Gilead existiu em uma escala de décadas e não de séculos. No livro vários personagens que estavam vivos durante o período de The Handmaid's Tale são descritos como morrendo durante os expurgos que ocorreram no "Período Médio de Gilead". Isso implica que também houve um "Período de Gilead Mais Recente". Gilead finalmente caiu do poder e agora é estudada em universidades e escolas na América do Norte, onde está fortemente implícito que um novo governo democrático foi restaurado ao poder nos Estados Unidos, com as duras leis e regulamentos impostos por Gilead sendo derrubados.

Inspiração

Como Margaret Atwood explicou em várias entrevistas, os "Filhos de Jacó" e a "República de Gilead" que eles criaram, cinicamente não acreditam em sua própria propaganda religiosa - quase todos os membros de Gilead em uma posição de maior poder, como os Comandantes, em vários momentos, estão quebrando suas próprias regras, ou expressando que estão simplesmente usando isso para obter poder. Atwood não concebeu Gilead como um regime totalitário cristão, mas sim um regime fascista totalitário que se ergue nos Estados Unidos e que, por acaso, usa algumas armadilhas vazias da religião para se justificar.

Atwood analisou a ascensão de vários regimes fascistas totalitários ao longo da história e concluiu que sempre se eleva em torno de algumas armadilhas centrais da identidade nacional, e que, em sua opinião, o caráter nacional dos Estados Unidos sempre foi moldado por movimentos religiosos. Da mesma forma, a Alemanha nazista usou armadilhas da retórica passada sobre impérios germânicos anteriores, como o Império Carolíngio de Carlos Magno e o Império Alemão anterior à Primeira Guerra Mundial ou se apegou a políticas europeias pré-existentes de discriminação contra grupos sem poder (judeus, ciganos, homossexuais, esquerdistas, alemães anti-nazistas, entre outros).

Atwood também disse que Gilead foi parcialmente inspirada pela reação da direita religiosa na década de 1980 aos movimentos dos direitos das mulheres da década de 1970, durante os anos Reagan. Particularmente, Atwood estava reagindo à propaganda em grande escala, mas infundada, sendo circulada por grupos religiosos de direita que o acesso ao aborto e à contracepção estava levando a um "genocídio branco", e que a taxa de natalidade entre brancos americanos estava em declínio acentuado - apesar do fato de que não havia evidências que suportassem isso, e os dados do censo provaram que eles estavam descaradamente incorretos. A visão de Atwood sobre Gilead também se inspira no "idealismo utópico" presente dos regimes comunistas do século XX, como o Kampuchea de Pol Pot (também conhecido como Camboja) e a Romênia de Nicolae Ceausescu, bem como o anterior puritanismo da Nova Inglaterra.

Leia notícias sobre Gilead em The Handmaid's Tale Brasil