Handmaid's News

Review | The Handmaid's Tale S03E07 - "Under His eye"


Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do sétimo episódio, S03E07 – "Under His eye", da terceira temporada de The Handmaid's Tale.

"Dia abençoado", diz Serena Joy para suas companheiras no baile que ela e Fred frequentam em Washington, "Dia abençoado", repetem cada uma das esposas. Em seguida, elas falam sobre os garçons sendo colírio para os olhos, e todos nós vomitamos um pouco pensando sobre este pacote hipócrita de abutres.

Enquanto isso, o Comandante Winslow diz a Fred que é mais politicamente conveniente manter a bebê Nichole no Canadá, usá-la como moeda de barganha para um tratado mais amplo de extradição - embora o Canadá tivesse que ser realmente desleixado enviando refugiados de volta a Gilead.

No entanto, os diplomatas suíços estão entrevistando Emily, perguntando-lhe sobre qualquer coisa que ela poderia ter feito que o Estado de Gilead veria como um crime. Gilead está tentando pintar os refugiados como criminosos, em vez de refugiados, para que possam ser extraditados e julgados (ou devolvidos à escravidão, estupro e tortura).

Chegar ao Canadá deveria significar segurança. Os canadenses não estão tratando esses refugiados como o nosso atual governo trata refugiados venezuelanos e haitianos. Eles estão recebendo-os de braços abertos e ajudando-os a se estabelecer, e o fazem há anos. É difícil pensar que esse bebê iria mudar alguma coisa na posição do governo canadense sobre refugiados ou extradição. E não importa quão poderosos sejam os militares de Gilead, não os vejo invadindo o Canadá para recuperar essa filha. Nem Winslow quer a bebê de volta, ele está apenas usando isso como alavanca.

Nessa semana, June convence a incrivelmente simpática sra. Lawrence - que ainda não entendemos direito, a exemplo de seu marido - a caminhar com ela, mas não antes de mentir para ela primeiro na esperança de ver sua filha na escola. Isso leva a sra. Lawrence quase a ter um colapso nervoso e June ainda não consegue ver Hannah, embora ela a ouça gritando com outras crianças do outro lado do muro. Antes, no caminho de ida, sra. Lawrence e June encontram Naomi com "sua" filha, Charlotte/Angela, a sra. Putnam por sua vez, estranha a primeira caminhada de Eleanor em anos.

Agora, a sra. Lawrence está toda desarrumada pela experiência e June danificou potencialmente seu relacionamento com o comandante Lawrence nesse processo - o único homem que tem o poder, influência e (talvez) força de vontade para realmente ajudá-la.

Mais tarde, descobriu-se que a aia devota, que se tornou parceira de compras de June, Ofmatthew, espionou sua conversa com a Martha na mercearia. Naturalmente, Ofmatthew conta tudo à tia Lydia. A Martha é executada por enforcamento (algo que as garotas agora ajudam em um novo ritual) e quando June descobre que Ofmatthew a delatou ela entra em fúria.

Ofmatthew é enfurecedora, uma verdadeira crente e uma informante, mas o plano de June é cada vez mais confuso, a vontade de resgatar Hannah parece ter sido saciada por simples visitas para ouvir a voz da filha. Obviamente, é difícil imaginar a dor que uma mãe deve sentir ao ser separada de sua filha (outra atrocidade do mundo real).

Falando em Serena, ela continua a se aproximar de Fred, o homem que cortou seu dedo e continua a ser um excremento sorrateiro e mentiroso. Ela faz isso na esperança de trazer Nichole de volta, sabendo que Fred não pode fazer bebês, mesmo que eles tenham uma nova aia, não haveria nenhum novo bebê em seu futuro. Mas ela também parece estar realmente apaixonada por ele novamente, e está animada com seu futuro juntos, esperançosamente em Washington, provavelmente em uma das poucas casas restantes que não foram utilizadas ainda.

"Quem morou aqui?" Ela pergunta à sra. Winslow enquanto visitam a casa vazia - uma casa que parece ter sido abandonada às pressas, ou cujos antigos moradores foram apanhados por homens com máscaras pretas e carregando grandes armas. "Eu não sei", a outra mulher responde. "Batistas, eu acho."

As duas esposas andam pela casa, admirando seus muitos encantos. O quarto principal fica do outro lado da creche, especialmente singular? E quem se importa se foi violentamente roubada de pessoas que uma vez a chamaram de lar, que tiveram seus próprios filhos provavelmente arrancados dos braços de seus pais e entregues a membros do regime de Gilead?

Enquanto isso, no Canadá, Emily e Moira vão a um protesto para lutar contra a disposição do governo canadense de negociar com Gilead e as levar presas. Foi bom ver a superfície raivosa de Emily, não apenas sua timidez. Embora a calmaria de Emily seja um dos pontos altos da temporada, é maravilhoso ver ela se recuperando, embora os traumas dos tempos em Gilead sejam irreversíveis.

Agora é a vez de June - não apenas ficar com raiva, e não apenas se debater sem rumo, fazendo escolhas grandes e precipitadas que sempre saem pela culatra, mas para agir de verdade. Para fazer algo inteligente. Para ajudar a construir essa resistência indescritível leva tempo, mas isso nos foi prometido e temos apenas seis episódios restantes nesta temporada. 

Texto escrito para The Handmaid's Tale Brasil, reviews sempre às quartas, mesmo dia da entrada do episódio no catálogo do Hulu. Então, você percebeu algo que não está esclarecido aqui nessa review? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião sobre o episódio.