Handmaid's News

Review | The Handmaid's Tale S03E04 - "God Bless The Child"


Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do quarto episódio, S03E04 – "God Bless The Child", da terceira temporada de The Handmaid's Tale.

The Handmaid's Tale continua se sentindo muito diferente nesta temporada do que nas duas anteriores, em parte porque a série parece estar espelhando os eventos do mundo real um pouco mais de perto, e em parte porque os tarefas rotineiras de Gilead parecem de alguma forma atenuadas para June em comparação, principalmente à primeira temporada, embora ela esteja mais envolvida na resistência.

Ainda há muitas coisas horríveis acontecendo em Gilead e de qualquer forma não é nenhum piquenique para June, mas parece que ela se esquivou de muito chumbo grosso, suas ações superam amplamente as consequências - pelo menos em comparação com o sofrimento de suas companheiras. A tensão desapareceu? Não exatamente. Mas essa sensação de medo profundo e permanente parece ter diminuído.

Por exemplo, agora, quando June interage com Fred ou Serena, ela não é mais sua aia. Eles ainda podem infligir dor ou causar problemas em sua vida, mas ela não está vivendo em sua casa. June não tem mais que lidar com o Comandante que a estupra ou com Serena batendo e abusando dela se perder o bebê. Até na cena da mansão Putnam, quando Janine se aproxima de Naomi Putnam e pede para segurar a bebê e - miraculosamente - a mulher permite, apesar dos receios do Comandante Warren.

Janine parece estar indo muito bem neste momento, dizendo o quanto está feliz por Naomi e Warren serem os pais de sua bebê, mas então ela começa a implorar para voltar a ser Ofwarren, para dar-lhes outro filho, para estar perto de sua filha. Esta é a segunda vez que vemos a tia Lydia perdendo a calma - depois de dar um choque em June na casa do Comandante Joseph Lawrence - de uma forma que nunca teria feito antes, dando mais crédito à ideia de que ela tem algum tipo de dano cerebral desde quando Emily a atacou, que está consumindo seu autocontrole.

Ela começa a gritar com Janine, depois a espanca violentamente. June grita para ela parar, implora a alguém para fazê-la parar, depois joga seu próprio corpo sobre o de Janine. Ela tira a tia Lydia de seu estupor violento, felizmente, e Janine é arrastada, enquanto tia Lydia murmura um pedido de desculpas - não para Janine, mas para os Comandantes e Esposas reunidos em volta, chocados. Sobrou até Fred comendo as unhas de apavoro - e nós, claro.

June não enfrenta consequências por desafiar tia Lydia, e tudo bem, neste caso. Lydia está muito surpresa com sua própria explosão para fazer qualquer coisa com June. Mas é interessante notar que a maneira como June age - uma aia que grita com todos esses homens e mulheres poderosos - não seria tolerada em nenhuma outra aia. June atingiu um status elevado mas estranho; ainda cativa, envolvida com sua roupa vermelha e touca branca. Há um desenvolvimento que a faz parecer quase imune.

Os paralelos entre a cerimônia das crianças em Gilead e o batismo de Hannah também foram interessantes. O primeiro é tão rígido, tão absurdamente desumano; o último, tão mundano e pitoresco, tão normal.

Também foi um pouco surpreendente ver a nova companheira de compras, Ofmatthew, quebrar as regras um pouco, finalmente. Ela é considerada uma verdadeira crente ou, nas palavras de June, "a porra de uma piedosa", mas pode ser apenas uma maneira de racionalizar a entrega de três filhos aos que estupraram você. Todos nós temos que lidar de alguma forma, e toda aia lidará com essas atrocidades à sua própria maneira. Estamos todos lutando nossas próprias pequenas batalhas internas que ninguém conhece, e talvez June esteja começando a entender a de Ofmatthew. A segunda temporada nos surpreendeu positivamente com a história de Eden, será que vem mais uma por aí?

June continua a vender sua influência. Ela ainda quer recrutar Serena para o time dos bons e convencer o Comandante Waterford de que a melhor maneira de recuperá-la seria dar a ela um lugar na mesa, dar-lhe algum poder e influência. Ela vê isso como uma maneira de, talvez, puxar algumas cordas, especialmente se ela conseguir dominar Serena. Isso é um grande "se" no entanto.

Depois que Janine é terrivelmente espancada pela tia Lydia, Serena diz "Pobre Naomi", para a qual June responde "Pobre Naomi?" June sorri com raiva (de alguma forma) e diz: "Sinto muito, eles provavelmente estão me esperando". Então Serena finalmente lhe dá um agrado, dizendo-lhe que uma "menina da idade de Hannah, filha de um Comandante, provavelmente iria a uma escola de artes domésticas" e então lhe dá a localização da escola que Hannah provavelmente frequenta. É uma boa pista, mais uma peça do quebra-cabeça, uma pequena vantagem para June usar na recuperação da filha. Então talvez haja esperança para Serena.

Não podemos esquecer do Canadá, que segue revelando as maiores surpresas da temporada. Emily finalmente encontra Sylvia e seu filho, Oliver. É um encontro desajeitado. Não é o encontro que você gostaria de ter, mas é o encontro que muitas pessoas têm após eventos traumáticos como a guerra. Emily foi torturada, mutilada, estuprada, forçada a trabalhar em terras radioativas. Ela é morta e tentou matar novamente. Ela foi arrastada de sua vida normal e pacífica e forçada a uma subjugação brutal. Sylvia viveu uma vida relativamente calma no Canadá criando seu filho.

Mas mesmo que haja uma lacuna entre elas agora - essa lacuna inevitável que o tempo e a falta de experiência compartilhada criam; a mesma lacuna da qual Luke tem tanto medo - Sylvia simplesmente não se esqueceu de Emily. Ela mantém sua memória viva em Oliver, que tem fotos dela e que a desenhou por toda a parede.

Emily tenta ler-lhe uma história sobre os dinossauros na hora de dormir e ela mal consegue terminar um parágrafo. Enxugando as lágrimas nesse momento, imaginando quão duro e quão triste e quão bonito e quão enfurecedor tudo isso seria. Ter perdido todo esse tempo, e não apenas perdido, mas perdido para tais horrores, tais injustiças. Que cena ótima. Quando Oliver percebe seu choro, ele sugere "Quer que eu continue?" e começa a ler em voz alta para ela. Um garotinho lendo sua própria história para dormir enquanto suas mães sentam ali deixando toda aquela emoção e dor passar por elas. São momentos como esse que me dão esperança, para quem está assistindo e para quem vive dentro de Gilead. Estamos entrando em novos lugares aqui, novos territórios emocionais.

Mais tarde, quando Emily e Sylvia sentam-se do lado de fora e conversam, é quase difícil de assistir. Emily está tão magoada. A dor corre tão profundamente. Sylvia não tem esse tipo de dor e não sabe como compartilhá-la. De certa forma, ela lida com tudo perfeitamente bem. São traumas de Gilead, traumas que ultrapassam fronteiras, ultrapassam a liberdade.

Texto escrito para The Handmaid's Tale Brasil, reviews sempre às quartas, mesmo dia da entrada do episódio no catálogo do Hulu. Então, você percebeu algo que não está esclarecido aqui nessa review? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião sobre o episódio.