Handmaid's News

Review | Castle Rock S01E07 - "The Queen"


Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do sétimo episódio, S01E07 – “The Queen", da primeira temporada de Castle Rock.

Nós ganhamos uma nova perspectiva sobre os eventos do presente, uma perspectiva tecida através da mente de alguém perdido no passado. No episódio 7 de Castle Rock, intitulado por "The Queen", vemos as coisas através da perspectiva fraturada de Ruth Deaver, de Sissy Spacek, uma mulher ostensivamente lutando contra a demência.

Em uma performance incrivelmente poderosa, Spacek como Ruth é tanto herói quanto vítima nessa história. Ela usa um jogo de xadrez para ajudar a se ancorar no presente. Como ela contou a Wendell, seu neto, ela espalha as peças ao redor de sua casa para lembrar a si mesma que, se vir uma, está no presente.

Isso pressiona a pausa nas outras histórias que aparecem na série. Deixamos as coisas misteriosas com The Kid sentado ferido do lado de fora da casa de Ruth. Enquanto isso, Henry Deaver estava trancado em uma sala à prova de som por um cientista demente que insistia que a "voz de Deus" que o pai de Henry (e o falecido marido de Ruth) havia perseguido na floresta era na verdade uma evidência física de múltiplos universos. Outros anos, outros coisas. Todos os passados ​​possíveis, todos os presentes possíveis. Schisma é o som do universo tentando reconciliar isso.

Ruth está tentando reconciliar a si mesma. Escrever uma review completa desse episódio é difícil porque equivale a peças de quebra-cabeça espalhadas, eu contei mais de 26 linhas temporais. Antes disso, algumas das peças estavam faltando. Agora eles estão todos viradas para cima, mas temos que juntá-las para entender a imagem que eles criam.

Muito da existência de Ruth é desorientação. Onde ela está? Quando ela está? Mas no meio disso tudo, encontramos as respostas para alguns dos outros eventos bizarros do presente. Por um lado, a coisa com o cachorro morto é explicada. Em um episódio anterior, Henry encontra Alan Pangborn no mato, desenterrando uma mala usada como um caixão improvisado para um cão que havia sido atropelado e morto há várias semanas. Ruth achava que o cachorro (que na verdade era cachorra) estava de volta, e ela queria evidências de que estava realmente morto.

Alan escavou, abriu, tirou uma foto de celular do animal morto, e foi isso. Estranho, certo? Mas acaba por ter mais significado do que sabíamos. Por um lado, vemos a morte deste animal em particular acontecer. Um claro acidente com um desfecho trágico, mas solta uma lembrança na mente de Ruth que a assombra.

"Eu já contei a você o que aconteceu com Puck?" Ela diz a Alan. Puck era o cachorro de aparência semelhante que a família tinha quando Henry era menino. O animal desapareceu um dia, sem explicação. Saltando para o final do episódio, nós a vemos descobrindo um pacote vazio de veneno de rato enfiado no lixo dela. O cachorro estava reagindo mal ao marido, que demonstrou extremo domínio, se não abertamente, neste episódio.

Está claro que o reverendo Deaver matou o animal de estimação da família. Mas além de mostrar sua crueldade, por que isso importa? Ruth tem um conflito com o espectro de seu falecido marido, perto do final do episódio, ele a insulta sobre sua incapacidade de ganhar coragem para deixá-lo e fugir com seu filho para uma nova vida.

Mas há algo mais chamativo por debaixo dessas memórias. Ela está tentando ouvi-lo, assim como seu marido e Henry se esforçaram para ouvir o Schisma - a "voz de Deus" - na floresta. De certa forma, agora está chamando a Ruth.

Ao longo desta provação, Ruth está em um jogo em câmera lenta de gato e rato com o homem misterioso que foi libertado de um fosso dentro de Shawshank e recentemente se libertou (por incêndio criminoso) do hospital psiquiátrico Juniper Hills. Ele quer o mal dela? Não parece ser isso. Embora um toque com ele tenha levado Zalewski, guarda da prisão de Shawshank, a atirar em seus colegas de trabalho, Ruth parece ser capaz de tocá-lo sem ser afetada por isso. O diretor suicida da prisão Lacy usou luvas de borracha para se isolar de seu cativo, mas Ruth é capaz de dançar com ele ao som de "Blue Moon" de Elvis Presley.

Ao longo do episódio, Ruth continua a misturar o espectro de seu marido com a presença real do homem misterioso. Ela tem medo dele - de ambos - e ela está caçando a combinação para o cofre no andar de cima onde a arma é mantida. Ela também precisa descobrir onde estão as balas. Durante essa caçada, ela é repetidamente transportada de volta no tempo para quando Henry era jovem. Seu marido tinha glioma, um tipo de tumor cerebral que ela acha que é o culpado pelos sons e visões que ele está tendo.

Nós os vemos dando uma caminhada pela floresta. É quando o reverendo Deaver pega uma arma e coloca no ouvido. Ele explica que veio para cometer suicídio, mas em vez disso - no momento antes de tirar a própria vida - ele ouviu a voz de Deus. Ruth faz tudo o que pode para convencê-lo a baixar a arma e ir para casa com ela, e vemos por que estava tão desesperada para deixá-lo e fugir com o xerife Pangborn.

Uma peça de xadrez nas folhas a chama de volta para o presente, onde está com seu neto que lhe mostra um vídeo game de realidade aumentada e diz que lembra de um dos personagens. "Você é uma viajante do tempo", diz ele.

Mais tarde, quando Molly bate na porta à procura de Henry, Ruth diz que está ciente de que Molly é a única que entrou em sua casa quando criança, anos atrás, e desligou o tubo de respiração de suporte de vida do marido ferido. Nós ainda não sabemos como o reverendo foi ferido enquanto procurava na floresta congelada por seu filho desaparecido, mas Ruth agora sabe por que ele morreu. Molly está horrorizada. Mas Ruth apenas fecha a porta para ela. "Não, você fez a coisa certa. Mas não adiantou. Ele está de volta", diz Ruth. "No presente, não no passado. Eu vou consertar isso."

O homem misterioso em sua casa parece saber coisas que seu marido fez. A combinação para o cofre no andar de cima é uma delas. "Seu aniversário", ele diz a ela. Ruth manda seu neto para o shopping, e embora ele esteja relutante em deixá-la com The Kid, ele vai. Ruth, enquanto isso, se apressa para abrir o cofre. Ela retorna ao passado, se encontrando com o xerife Pangborn mais novo e falando sobre seu cachorro desaparecido, Puck. Ele não pode ajudar com isso, mas pode ajudar com um problema maior - embora não como um homem da lei.

"Ele nunca levantou a mão. Não há evidência legal. Esse é o crachá falando. Como amigo, tenho outras ideias", diz ele. Ele diz a ela para arrumar uma mala e deixar Castle Rock com ele e seu filho. Essa é a única maneira de escapar de seu marido abusivo e enlouquecido. Quando ela sai do escritório do xerife, ela acaba em sua própria cozinha, também no passado. É onde ela encontra a embalagem de veneno de rato no lixo.

Nós a vemos como uma jovem mulher, arrumando suas malas. Mas sabemos que ela nunca saiu. Seu falecido marido a agarra na cozinha. "Você perdeu o senso de realidade", ela diz a ele. Ele zomba. "Diz a mulher discutindo com o marido morto." Este não é um incidente do passado. Esta é a sombra do passado jogando novos pensamentos em seu presente. Ela tem a arma, mas não as balas e não tem ideia de onde elas estão, e seu marido não pode contar porque é apenas uma manifestação de suas próprias memórias.

Ela a vê mais jovem arrumando a arma na mala. E a visão do marido a insulta sobre a falta de coragem para deixá-lo. As roupas voltaram em gavetas. A arma voltou ao closet, pelo menos até que Alan Pangborn a trancou no cofre quando passou a morar com ela anos depois. Mas as balas... onde ele colocou aquilo? Esta é a voz falando com ela por baixo dessas memórias de dois cães mortos.

Eles ainda estão na mala, enterrados no quintal dentro do caixão improvisado. Ruth arranha a terra como o cão que a acompanha nas memórias e desenterra o animal, encontrando as balas exatamente onde as deixou há muito tempo. Ela se esconde na garagem entre algumas decorações antigas de Natal, e quando a figura que ela pensa ser The Kid que entra para encontrá-la, ela atira nele. Mas é apenas Alan Pangborn, que está mortalmente ferido no chão.

O episódio termina com outro vislumbre do passado: Alan retornando a Castle Rock depois de vários anos fora, vindo checar Ruth porque um vizinho relatou ter ouvido tiros. Ela diz a ele: "Não saia. Por favor, não faça isso." E ele diz a ela: "Eu não vou a lugar nenhum". Enquanto esperamos para descobrir o que acontece com Henry preso na sala à prova de som, também vamos esperar para ver se Pangborn encontrou seu fim.

Texto veiculado aqui e em Castle Rock Brasil. Então, você percebeu algo que não está esclarecido aqui nessa review? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião sobre o episódio.