Handmaid's News

Review | Castle Rock S01E05 - "Harvest"


Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do quinto episódio, S01E05 – “Harvest", da primeira temporada de Castle Rock.

Castle Rock alcançou a metade do caminho em sua primeira temporada, com as coisas se voltando ao máximo mais uma vez ao longo do episódio, chegando ao auge com um clímax memorável. Mas isso ​​parece a norma para Castle Rock, tornando a espera entre os episódios ainda mais angustiante. 

Uma das mais empolgantes personagens adicionadas a Castle Rock até agora foi Jackie Torrance, de Jane Levy. É a personagem que quer estar em uma história de Stephen King, achando sua vida sem graça e chata, sem saber que já vive no meio de uma e não vai demorar muito para as coisas piorarem para ela, como aparentemente tudo de ruim está acontecendo para cada personagem importante em Castle Rock agora que The Kid está livre. A área queima com frequentes incêndios florestais, e embora haja mais incêndios do que antes na vida real, você tem a sensação de que isso é muito mais do que apenas uma coincidência e que eles e The Kid estão de alguma forma ligados. The Kid trouxe o mal com ele para Castle Rock que não deixará a cidade tão cedo.

O desempenho de Levy esta semana, quando descobrimos que ela é sobrinha de Jack Torrance, foi fantástico e eu gostei de suas interações com The Kid, que fizeram um belo lance nos telhados onde parecia que ele iria pular. Sua improvável parceria agora significa que ela vai se envolver muito mais na trama do que antes, o que, esperamos, ser uma coisa boa, já que ela tem sido subutilizada como personagem secundária até agora e seria um crime desperdiçar alguém tão talentosa como Levy pode ser. É interessante notar que ela na verdade prefere ser chamada de Jackie ao invés de Diane, para que possa soar mais próxima, como seu tio desequilibrado, Jack - e isso pode ser um presságio de mau pressentimento para as coisas sombrias reservadas para sua personagem.

A diretora da prisão Porter está sob o medo de seus superiores, então faz o problema dela o problema de outra pessoa, livrando The Kid para o mundo exterior. Ele consegue um lugar na sede da imobiliária de Molly Strand, mas não permanece no local depois de passar vários anos trancado atrás das grades. Ele tem muito mais probabilidade de passar o tempo andando, e onde anda, o caos segue. Uma família comum comendo um bolo de aniversário, basta The Kid para eles se voltarem uns contra os outros e, se não era claro antes disso, ele é a pessoa responsável pelo povo da cidade ter cometido atos do mal no passado, isso é bem óbvio agora.

O final deste episódio finalmente mostra Alan ficando cara a cara com The Kid, que apareceu brevemente na casa de Deaver depois que Henry instalou câmeras com um objetivo. "Você é o diabo?" Ele sem rodeios pergunta ao garoto que responde com um não. Nem mesmo Alan tem ideia do que está acontecendo com ele. Se não é o diabo, então quem ele é? Sabemos que não envelheceu desde que Alan o viu pela primeira vez no porta-malas do carro, depois de todos esses anos. E é fato de que há 27 anos não é uma pequena coincidência, dado que Pennywise desperta a cada 27 anos. Há mais nas conexões de The Kid com o multiverso de Stephen King do que apenas Bill Skarsgård, e essa prefiguração é feita constantemente. Espero que nos episódios restantes, tudo seja revelado.

Eu continuo gostando do jeito que a série está desenvolvendo o relacionamento de Molly e Henry. Teria sido fácil dar a Henry o posto de personagem principal, mas os escritores tomaram uma boa decisão em usá-lo para trabalhar Molly um pouco mais, com seu episódio Local Color sendo uma das melhores horas da série até agora. O relacionamento deles progrediu o suficiente a ponto de Molly ser capaz de confessar seus poderes a Henry, que, embora não desconsidere Molly imediatamente, não está inteiramente ciente de quais são os poderes. 

As câmeras são colocadas na casa dos Deaver, como forma de combater a demência aparente de Ruth. A tensão ainda está muito presente e você tem a sensação de que as coisas não melhoram para Ruth. Mas, novamente, é Castle Rock e é uma história de Stephen King. As coisas não melhoram para ninguém.

Texto veiculado aqui e em Castle Rock Brasil. Então, você percebeu algo que não está esclarecido aqui nessa review? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião sobre o episódio.


Adblock Detectado

Você gosta desse conteúdo? Então nos ajude desativando o Adblock

Você pode desativar o seu adblock só em nosso domínio, ajude-nos a continuar levando conteúdo relevante para você :)

Muito obrigado, The Handmaid's Tale Brasil

×