Handmaid's News

Review | Castle Rock - Os três primeiros episódios


Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS dos três primeiros episódios da primeira temporada de Castle Rock.

Castle Rock tem sido a série mais esperada do ano, ver finalmente chegar às telas é algo realmente empolgante. Esta é uma review tripla, mas com conteúdo de todos os episódios abordados individualmente, além de oferecer uma breve visão geral. Então, a review do primeiro episódio foi escrita sem o conhecimento do que acontece no segundo ou terceiro, e assim por diante.

O Hulu tem acertado cada vez mais em suas séries. Castle Rock lembra muito a primeira parceria de Staphen King e J. J. Abrams com o streaming, 11.22.63, apesar da segunda ter um clima menos amigável a todas as idades. Mas com base no que eu vi até agora, Castle Rock é obscura, atmosférica que revela aos poucos e aos máximos detalhes. Depois de séries adaptações de King de conteúdo decepcionante que inclui The Mist e The Dark Tower, a série do Hulu vem de alguma forma para compensar isso.

O astro de Moonlight e The Knick, Andre Holland interpreta o protagonista, um advogado conhecido por enfrentar os casos do corredor da morte no Texas. Nós o encontramos pela primeira vez no meio do piloto, defendendo uma mulher chamada Deanne. Há algo realmente enervante acontecendo aqui, o que significa que mesmo longe de Castle Rock nunca perdemos a sensação de pavor ou desespero, quando a mulher Deanne é trazida de volta dos mortos depois que ela foi morta. Suas tentativas de ser uma testemunha, como a única pessoa a assistir a sua execução o levam a se afastar, retornando a um ambiente onde uma criança balança uma galinha gritando na frente de um jacaré. É cruel. Mas as crianças podem ser cruéis e, nos romances de Stephen King, elas geralmente são.

Falando de romances de Stephen King, o piloto, intitulado Severance, é um tesouro de referências para os fãs de King. Além da escolha óbvia de reutilizar atores da mitologia dele, Castle Rock é a fictícia cidade do Maine que aparece em muitos dos romances de King, mais notavelmente The Dead Zone e Cujo, também retornamos à Prisão Estadual Shawshank de The Shawshank Redemption. Shawshank em si, é um cenário importante para a série. Sua vibe atmosférica e assombrosa é mais sombria do que no clássico filme, e embora não haja menção direta de Andy Dufresne e sua tentativa de fuga, ainda é muito reconhecidamente a mesma prisão. A aparência de tudo é perfeita, e o programa faz um ótimo trabalho em mostrar a atmosfera, criando um sentimento instantâneo de medo e desespero que nunca desaparece, mesmo que o piloto em si seja bastante lento às vezes.

Os diretores da prisão de Shawshank têm uma alta taxa de mortalidade, quatro deles estão mortos e o mais recente, Dale Lacy, interpretado por Terry O'Quinn de Lost (Outro tipo de conexão com King, Lost é claramente influenciado pelas obras de King), acaba de cometer suicídio no dia de sua aposentadoria, amarrando uma corda a uma árvore e dirigindo em seu carro direto para o Castle Lake. É um olhar sinistro que mostra que esta série não será para corações fracos. É claro desde o início que Lacy guarda muitos segredos. Em um flashback do final do episódio, ficamos sabendo que é o responsável por manter um garoto sem nome interpretado por Bill Skarsgård em uma jaula em uma ala fechada que queimou em um incêndio. O garoto é descoberto quando a ala é reaberta devido à prisão superlotada, e a nova diretora fica furiosa ao descobrir que existem mais de 60 novas selas em potencial que poderiam ser abertas. Ela é uma daquelas pessoas que prefere manter o prisioneiro anônimo em segredo também, não muito disposta a liberá-lo, para o caso de ele ir a uma onda de assassinatos. Porque se ele não era um psicopata antes de ser pego - e fica claro que ele não era, já que não há registros dele cometendo qualquer crime no banco de dados, todos aqueles anos passados trancados o farão um.

A cinematografia e cenários na série são fantásticos. Os escritores Sam Shaw e Dustin Thomason definem o tom e o diretor Michael Uppendahl traz a direção esperta para a mesa. Michael Uppendahl é outro nome de alto nível, tendo vários episódios de Fargo, Legion, American Horror Story e Mad Men em seu currículo, e mostra seu talento aqui. Tudo parece bem. 

O mistério por trás da identidade do prisioneiro desconhecido permanece assim durante todo o episódio. Por que Lacy o manteve lá, por que Henry é chamado, é desconhecido no piloto. Também vemos indícios de flashbacks de experiências de Henry como uma criança mais jovem - ele passou 11 dias sumido apenas para ser encontrado por Alan Pangborn, um amigo de seu pai e um policial, apenas para descobrir que o pai de Henry morreu na busca e ele não lembra de nada do seu tempo fora. Esse é de longe um dos grandes plots do episódio que já evidenciam que serão mostrados em camadas. 

É ótimo ver Scott Glenn interpretar Alan no presente, como o xerife aposentado que fica com a mãe adotiva de Henry de vez em quando, está roubando as roupas de seu pai e dinheiro para mover um cemitério perto da igreja. Sua mãe adotiva não está na melhor forma para desafiá-lo, já que Ruth perdeu sua enfermeira há muito tempo e ninguém lhe deu uma nova. A própria Carrie, Sissy Spacek, firma o papel da mulher enlouquecida e estou ansioso para ver sua personagem brilhar nas próximas semanas.

Dicas estão sendo plantadas para o mistério que envolve o personagem de Henry também. Claramente, Molly Strand, uma viciada em drogas que mantém um pôster de ‘procurado’ de Henry Deaver quando criança no seu porão e só olha para ele pelo tempo de uma ampulheta, sabe mais do que está disposta a compartilhar, recusando-se a ter contato visual com Henry quando ele sai do ônibus. Um homem estranho chama Henry de assassino quando ele chega de volta à cidade, pois muitos acreditam que ele foi responsável pelo assassinato de seu pai. Tudo isso contribui para o sentimento desconfortável que se aprofunda durante o episódio.

Dennis Zalewski, de Noel Fisher, nos instiga com seu trabalho honesto de policial durante o episódio, é o típico personagem posto para morrer, então o fato de ele ainda estar vivo no final provou que a série é capaz de superar as expectativas. Mas se Zalewski chama Deaver contra as ordens de seus superiores não vai disparar o alarme, o fato de que o prisioneiro não identificado tenha sobrado de um aparente massacre dos prisioneiros no Bloco C e tenha de algum modo escapado de sua cela, mesmo que seja apenas uma visão de Zalewski, deve alertar. A escolha de Bill Skarsgård funciona muito bem aqui, como vimos em seu desempenho como Pennywise de IT - A Coisa ele pode interpretar personagens ameaçadores habilmente e ele tem o potencial de ser completamente aterrorizante.

Se o jovem está de alguma forma ligado ao Pennywise, ainda não sabemos bem, ou não sabemos se Ruth Deaver é Carrie White - ou sobre Jackie Torrance de Jane Levy, que interpreta Jackie. Mas há muitos mistérios para refletirmos quando o piloto termina. 

***

Habeas Corpus continuou o tom sombrio e atmosférico do primeiro episódio de uma forma interessante, acabamos descobrindo mais sobre Jackie Torrance. Também soubemos mais sobre os motivos da enigmática Lacy, que pode estar envolvida em algum tipo de culto para proteger Castle Rock. Alan sabe mais sobre o jovem desconhecido do que ele está nos deixando saber também, ele alerta a nova diretora para não deixá-lo sair o que ela faz, e queima uma carta de Lacy. Mas isso vai bater com Henry, que passa grande parte do episódio tentando descobrir uma maneira de provar que o prisioneiro existe.

Sombria e melancólica, Castle Rock fica mais inquietante com o episódio. Praticamente todas as casas de Castle Rock têm pessoas que têm algum tipo de demônio, e que quando não são elas, é a cidade. A cidade em si foi escrita fora do mapa, portanto, por todos os registros oficiais, ela não existe mais. O único lugar para beber é uma pista de boliche desprezível com um bar ao lado. Não há lojas padrão e shoppings, conseguir um emprego como guarda de prisão é a única opção para Dennis Zalewski, cuja esposa está grávida e precisa de cuidados médicos. Zalewski está disposto a conversar com Henry depois que ele o vê no bar, e Zalewski diz que não está disposto a ir a justiça sobre isso. Ele ajudaria Henry, mas, por sua vez, ele precisaria de um ato de Deus para entrar naquela prisão.

E para piorar as coisas, The Kid (vamos chamá-lo assim até que ele tenha um nome), acaba de encontrar sua primeira vítima. É um nazista muito tatuado, que de alguma forma conseguiu ter câncer. O nazista é removido e o garoto é retirado de sua cela.

Uma personagem que se torna agradável é Jackie Torrance. Jane Levy faz com que ela se destaque claramente entre o resto do elenco. Ela quer ver os pés de Henry para saber se é verdade que ele ficou com o dedo congelado, e não tem medo de falar com um assassino preso. Henry descobre mais sobre sua reputação na cidade. Mas quanto mais descascamos para além das cortinas, mais aprendemos sobre Molly, que aparentemente tem o poder de ouvir os pensamentos das pessoas. Molly não tem medo de forjar a assinatura de sua irmã (interpretada por Allison Tolman) para que ela possa obter o dinheiro necessário para impulsionar seus negócios imobiliários no popular programa de televisão, Local Color, onde deve ter uma entrevista. Sua irmã está relutante em deixá-la fazer a entrevista, e você pode ver por que, dado que ela não é a pessoa mais amigável ao público, é fácil vê-la implodir e tornar-se um constrangimento ao vivo na TV.

Mas no final do Habeas Corpus, Henry tem provas e prova em foto de que The Kid existe. E agora tudo o que precisa fazer é falar com ele. Há também indícios de que poderia ser o protetor que Castle Rock tem que Lacy estava falando, mesmo na calada da noite, e poderia acabar sendo Henry, como ele é o protagonista. Estamos prestes a ter um caso clássico de bem contra o mal em nossas mãos? Ou algo muito mais sinistro? O mistério persistente sobre o desaparecimento de Henry certamente tornou as coisas muito mais atraentes, injetando um pouco mais de tensão na série à medida que ela progride.

***

Local Color abre com Molly se vendo entrar na casa de Deaver quando criança, onde ela vê o pai de Henry debilitado ligado à alguns aparelhos médicos, foi ela que desconectou o aparelho e o matou. Ele está chocado e tenta lutar contra isso, mas sem sucesso. No presente, Molly se encontra em uma igreja coberta de neve com um caixão. Ela é perguntada pelo pai por quê? Eles deixaram uma pecadora entrar em sua casa. Há muitas pessoas usando bandagens. Este sonho é sinistro, inquietante e adiciona uma dinâmica extra a personagem de Molly que a torna muito mais inquietante do que antes. Não é de admirar que ela estivesse tentando se esconder de Henry quando ele voltou, já que ela basicamente assassinou seu pai.

No bar, Henry vê a propaganda de imóveis de Molly, no programa Local Color na TV. Molly está construindo um modelo de seus planos para a cidade com Jackie, dando os últimos retoques para mostrar à imprensa. Não há base de trabalho se você não quer trabalhar em uma prisão no bairro, então Molly planeja trazer empregos para a cidade no que ela vê como uma fase 1. Com Jackie atuando como assistente executiva ao invés de estagiária.

Henry quer vender a casa de sua mãe, mas Molly não pode ajudá-lo, já que ela está aparentemente tão sobrecarregada. Ela ignora isso como um conflito de interesse devido a viver do outro lado da rua, mas Henry vai embora, admitindo a derrota. Molly apenas diz que é bom vê-lo novamente, e ele retorna o gesto. Enquanto isso, um jovem Henry queima uma fita de vídeo em um flashback, irritado com seu pai. Molly o convida para ver seu quarto, cheio de cartazes de álbuns com capas de Ramones e Violent Femmes, e fica bem claro que ela tem um bom gosto musical. Memórias vem à tona e são suficientes para levá-la a tomar os medicamentos no presente.


Em uma reunião, Henry quer que Zalewski ganhe sua confiança, e que ele precisa de mais para agir sobre isso. Zalewski acaba gostando de uma mudança de carreira e pede a Henry para apoiá-lo se ele quiser se tornar um advogado. Sim, é seguro dizer que as chances de Zalewski sobreviver a esta série não são pequenas, mesmo que ele tenha tido a sorte de chegar até aqui.

Molly chega em casa e a encontra vandalizada. Ela não checou e não acha que está faltando alguma coisa. Uma campainha do porão está aberta e ela vê que sua caixa ainda está lá. Jackie vê o pôster do filho desaparecido de Henry e pergunta se ele bateu ou não no pai. Molly rapidamente se afasta, e fica no porão, praticando seu discurso várias vezes na frente de um espelho, enquanto o tempo todo, sendo lembrada de flashbacks para o incidente. Para piorar as coisas, suas pílulas desapareceram e não há oferta. Seu fornecedor normal diz a ela para olhar para o Timberland Motorport, então você sabe que algo está indo mal. 

No estacionamento abandonado, Molly corre até uma criança pequena que a aponta na direção de uma casa onde Derek aparentemente mora, enquanto ouvimos dublagens que soam como se ela fosse entrevistada pela corte, só para descobrir que é uma tribunal simulado de crianças. As crianças estão usando máscaras, não muito diferentes das visões que Molly tem visto, e elas voltam o olhar para ela quando entra e é ordenada a sentar para observar a Corte se desenrolar como se fosse real. O líder explica que todas as mães das crianças estão bêbadas e seus pais estão todos em Shawshank. Um garoto aponta para Molly, sendo rotulada como uma assassina, no que deve ser considerado um dos julgamentos de tribunal mais assustadores do ano até agora. Acontece que o líder é Derek e ele essencialmente ordena que ela finja jogar o jogo que as crianças estão envolvidas para que ele possa lhe dar as drogas, e depois de algumas discussões, ela pede 100 por 10, mas a polícia chega antes que a transação possa ocorrer, o que significa que ela ficará mais desequilibrada do que nunca. 

Henry está perguntando mais sobre o suicídio e quer tentar encontrar o DNA do cliente na vítima. Ele vai tentar obter uma ordem judicial, o que o tornará mais impopular a cada segundo, já que todos os que estão no caminho de Castle Rock têm um membro da família trabalhando na prisão, e isso se tornará ainda mais hostil para ele, especialmente dado seu passado. Henry intervém para soltar Molly uma vez que ele descobre que ela está atrás das grades, mas Molly não quer continuar fazendo isso com ele. Ela é mais do que feliz em compensá-lo, mas ela diz a ele sobre suas experiências que estão mais próximas quando ele está por perto e não pode se dar ao luxo de estar perto dele por mais um segundo. Apesar disso, Henry leva Molly para a entrevista, que vai tão bem quanto você esperaria do que vimos desde Molly até agora, e ela jura pela televisão. É hora de acordar, diz ela. A multidão na Local Color está absolutamente chocada. Henry aprecia os esforços de Molly tentando ajudá-lo. Eles acabam se separando do lado de fora da casa de Henry, e ela diz que foi bom vê-lo. Assim que ela sai, Henry recebe uma ligação de um número que pode ser a Prisão Estadual de Shawshank. Ele está voltando, dessa vez para conhecer a Porter.


Porter, é rápida em ter uma abordagem diferente, dizendo que começaram com o pé errado. Ela quer dar a ele o máximo acordo por uma condenação injusta, mas Henry argumenta que é um sequestro. As ações de um ex-funcionário desonesto que está sendo jogado debaixo do ônibus não representam os valores da prisão, e se ele assinar um NDA, ele sairá com mais do que ganhará em sua vida. É hora de Henry finalmente conhecer The Kid, e é assim que a tensão aumenta até o clímax. O garoto o reconhece e imita suas ações com o telefonema. Fazendo as perguntas de sempre, The Kid diz que ninguém o ameaçou. Ele é o advogado de The Kid agora, e eles têm uma estratégia novinha em folha a partir deste momento. Se ele não tem nome, não tem crime e não tem história. O garoto é informado sobre a oferta, ele quer fazer um acordo melhor. Ele se anima quando Henry menciona a palavra “Barcos” - mais uma conexão em potencial com Stephen King, já que Pennywise atraiu Georgie com a promessa de devolver um barco de brinquedo e adivinha quem está interpretando The Kid, e pergunta a Henry. Quantos anos ele tem. Henry diz 39, e The Kid pergunta se ele ouve agora, segundos antes do tempo acabar e ele é levado pelos policiais. 

Molly retorna para casa para encontrar o lugar saqueado, e chama para ver se alguém está lá. Pegando uma faca, ela avança, verificando os cômodos um por um, de pé sobre o vidro quebrado. Eventualmente, depois de chegar ao final do corredor e um quarto, ela verifica debaixo da cama, apenas para não encontrar nada. E então é o homem mascarado de novo, que diz: "Eis que eu vou lhe dizer um mistério” Apenas para desaparecer. É outra visão e podemos respirar. A linha em si parece muito apropriada para a série até agora. É mistério em cima de mistério. Felizmente, o Hulu decidiu transmitir todos os três episódios ao mesmo tempo, tornando mais fácil para o público consumir todos eles, e dado o calibre envolvido em Castle Rock, está se moldando para ter algum retorno ambicioso, mesmo que não tenhamos certeza de qual forma. Há certamente muito mais das várias referências de Stephen King além daquelas que eu cobri aqui, então se alguém quiser apontá-las nos comentários abaixo eu estaria mais do que grato. 

Texto veiculado aqui e em Castle Rock Brasil. Então, você percebeu algo que não está esclarecido aqui nessa review? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião sobre o episódio.


Adblock Detectado

Você gosta desse conteúdo? Então nos ajude desativando o Adblock

Você pode desativar o seu adblock só em nosso domínio, ajude-nos a continuar levando conteúdo relevante para você :)

Muito obrigado, The Handmaid's Tale Brasil

×