Handmaid's News

Review | The Handmaid's Tale S02E05 - "Seeds"


Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do quinto episódio, S02E05 – “Seeds”, da segunda temporada de The Handmaid's Tale.

The Handmaid's Tale entrega um de seus episódios mais sombrios da temporada, sem a excitação da fuga de June e flashbacks de dias melhores "Seeds" nos assusta a ponto de deixar o telespectador com o "coração na mão'.

June é a mesma da semana passada: completamente derrotada. Ela anda pela casa dos Waterford como um zumbi, modulando sua voz para roboticamente educada, (literalmente) queimando qualquer remanescente de seu passado rebelde e esperançoso, tratando Nick como se fosse um estranho, com quem ela não compartilha nada de comum. June não tem mais voz neste episódio, ela foi tão degradada psicologicamente que não consegue pensar por si mesma.

Tia Lydia ainda está monitorando regularmente a gravidez de June, fazendo visitas agradáveis a família para a irritação de Serena. Ela pesa June, mede o tamanho do bebê, avalia seu estado mental. Ela até faz anotações com um lápis - o som do grafite contra o papel faz Serena se encolher de ciúmes - por está claramente cansada das visitas. Ela incentiva Lydia a sair e fica ofendida quando Lydia diz que um de seus trabalhos é observar o clima da casa em que June está carregando o bebê. E o clima, que não é nenhum segredo para Serena, está insuportavelmente sombrio.

Serena, cuja solidão, depressão e raiva reprimida aparecem com uma visão claramente clara funciona muito bem nesse episódio. Ironicamente, é a obediência cega e sem emoção de June, que realmente controla Serena, e coloca sua situação em um plano central. June não está em posição de falar com ela sobre outras aias. Ela não está interessada em brigar ou minar Serena. Sua dinâmica costumava ser disfuncional, até mesmo perigosa, mas também era humana: a profunda antipatia entre eles estava bem ali na mesa, a única chance que Serena tinha de expressar seus sentimentos. Agora, ela não tem motivos para punir ou repreender June. Ela está ficando louca com isso.

Serena age de outra maneira, no entanto, quando Nick diz a ela que ele está preocupado com June. Serena se lembra da verdadeira conexão que eles compartilham - um que inadvertidamente ajudou a facilitar a última temporada - e procura quebrá-lo. No café da manhã, ela se senta no extremo oposto da longa mesa do Comandante. Ele gentilmente ignora suas várias sutilezas. Mas quando ela fala que Nick tem se preocupado com June, o Comandante não reage bem, e procura fazer algo sobre isso.

Os Waterford vão para um “Prayvaganza” organizada pelo Comandante - os nomes de eventos em Gilead são indiscutivelmente estranhos - em que as aias e esposas se sentam em fileiras enquanto uma cerimônia acontece abaixo. Inicialmente não está claro para June o que está acontecendo, assistindo de cima, e Nick, que é levado para o andar principal. Mas logo fica evidente. Noivas jovens, com os rostos cobertos por véus, marcham até ficarem à frente dos homens sendo honrados. Eles, sem saber, vagaram para um casamento. Nick parece desconfortável, talvez com o coração partido, e June consegue expressar uma emoção novamente: tristeza. Ela chora de cima e faz contato visual com Nick.

Quando a cerimônia termina, ele levanta o véu de noiva, uma mulher muito, muito mais jovem do que ele, que aparece alternadamente petrificada, confusa e intrigada. (Mais tarde, ficamos sabendo que ela foi separada de sua mãe; ela fala com Serena, que, gentilmente, aconselha-a a sentir e dar prazer no sexo que agora precisa ter com Nick.) É um momento feio, e a toxicidade de Serena se põe a vista enquanto fica alegre com o casamento dos dois.

Sem Serena, Nick ou qualquer outra pessoa ficarem sabendo, June está no meio de uma crise de saúde. No início do episódio, no banheiro June percebe que está sangrando. Seu rosto fica em branco após a constatação. Mais tarde, ela mergulha na banheira cheia de sangue. Depois ela continua sua rotina como se nada tivesse acontecido. Rita percebe que está enfraquecendo, mas June mantém a compostura para não levantar suspeitas. E quando ela retorna do Prayvaganza, June sofre para subir as escadas, ainda sangrando. Em uma longa e silenciosa sequência, vemos ela se movendo ao redor de seu quarto, mais mentalmente ativa, conspirando, se preocupando ou lamentando o casamento de Nick - não sabemos ao certo.

Nick e o Comandante tomam uma bebida comemorativa para fechar a noite, brindando as boas mulheres. Nick tenta o seu melhor para manter a compostura de agradecimento, mas vemos seus verdadeiros sentimentos quando ele sai, voltando para sua cabana. Na chuva, fumando um cigarro, Nick encontra June do lado de fora, desmaiada e coberta de sangue, e grita por ajuda. A recusa de June em reconhecer seu problema ou pedir ajuda faz parecer que ela desistiu, uma tentativa silenciosa de suicídio.

As coisas não são menos desesperadoras no lado B da história, que nos leva de volta às Colônias. Por um lado, isso nos dá uma chance não apenas de ver um pouco mais do ótimo desempenho de Emily, mas também passamos algum tempo com Janine pela primeira vez nessa temporada. Infelizmente, é apenas um aprofundamento do vislumbre inicial das Colônias, como Emily guia Janine através de sua desumanidade e brutalidade. Uma luz, porém, acaba brilhando através da inabalável fé de Janine em Deus. Ela tenta ver o que há de bom em uma situação inimaginavelmente ruim, o que leva Emily - uma rígida realista - à loucura. “Nós viemos para cá. Nós trabalhamos. Nós morremos” Emily tenta explicar. Mas se existem flores que crescem, existe um caso de amor no meio delas, Janine ainda encontra um motivo para sorrir. Ela até faz acontecer um casamento entre Fiona e Kit, a última está morrendo, para dar-lhes um momento de felicidade antes que sua chance de estarem juntas seja tirada. É um momento bonito e discreto, e a recusa de Emily em aceitar o otimismo de Janine faz um contraste efetivo (embora pesado).

Finalmente, parece que Nick encontrou June e a resgatou na hora certa: ela acorda em uma cama de hospital, Serena dormindo em uma cadeira em frente a ela, e parece chocada por ter sobrevivido. O que ainda mais a impressiona: a sobrevivência do bebê. Serena busca o médico quando acorda, deixando June sozinha com seu bebê. "Você é durona, não é?", Ela diz. E então, vemos June voltar à vida depois de se afundar em Offred - abalada, talvez, por sua própria resistência. “Eu não vou deixar você crescer neste lugar. Eu não farei isso. Você está me ouvindo? ”June fala para o bebê. "Eu vou tirar você daqui. Eu vou nos tirar daqui. Eu prometo."

É um sentimento poderoso, porém já vimos June passar por esse ciclo de resistência antes; não podemos adivinhar o que vem a seguir, mas em um clima tão restritivo e opressivo, não pode ser muito diferente do que temos agora. 

Texto escrito para The Handmaid's Tale Brasil, reviews sempre as quartas, mesmo dia da entrada do episódio no catálogo do Hulu. Então, você percebeu algo que não está esclarecido aqui nessa review? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião sobre o episódio.