Handmaid's News

Margaret Atwood fala da nova temporada, de sua opinião sobre feminismo e polêmicas em especial à Variety


Confira a entrevista completa traduzida

Margeret Atwood, mesmo estando isolada para escrever seu próximo livro, deu uma grande entrevista a Variety, falando da nova temporada da série, sobre curiosidades do livro, feminismo e polêmicas.

Se você acha que é difícil para uma escritora em 2018, imagine como Margaret Atwood se sentiu no início de sua carreira. "Era impossível", diz a célebre autora. “Eu estava começando no Canadá nos anos 50. Não havia mercado. Eu pensei que teria que ter um emprego diário."

"Eu pensei em escrever romances verdadeiros", diz Atwood. “Mas eu tentei e basicamente não consegui. Eu tinha 18 anos, o que posso te dizer? Atolei no meio. Eu poderia fazer as tramas, mas eu não poderia fazer a prosa."

Atwood foi uma das cinco homenageadas no Variety Power of Women deste ano. Como parte da reportagem de capa desta semana, Atwood falou para a Variety sobre os segredos da série The Handmaid's Tale baseada em seu clássico distópico de 1985. 

Entrevistador Variety: Qual foi o título original que você deu a The Handmaid's Tale?

Margaret Atwood: Eu estava pensando no título da personagem central [chamando-o de "Offred"], mas depois pensei que ninguém iria entender isso. Eu tenho esse nome escrevendo um monte de nomes de homens e colocando "de" na frente deles, para ver quais soam melhor. E esse foi o único.

Entrevistador Variety: O título foi influenciado por Geoffrey Chaucer?

Margaret Atwood: Bem, claro. Eu gosto de Chaucer.

Entrevistador Variety: Você sempre viu The Handmaid's Tale como uma história feminista?

Margaret Atwood: O que isso significa? Procure tipos de feminismo. Você encontrará 50 deles. Eu sempre vi isso como uma história com mulheres no centro dela? Sim. Isso a torna feminista? Sim. Mas isso faz com que seja um tipo particular de feminista? Não há uma definição de feminista. É por isso que sempre pergunto às pessoas qual tipo de coisa você quer dizer. Eu não assino cheques em branco, e gostaria de saber para o que estou me inscrevendo.

Entrevistador Variety: Você acha que isso é um problema? 

Margaret Atwood: É um problema porque se você disser feminista, verá que há muitas posições que também se chamam de feministas com as quais você não concorda. É como "cristão". Isso significa o papa? Isso significa evangélicos? Isso significa Thomas Becket? Sobre o que estamos conversando?

Entrevistador Variety: O que o feminismo significa para você? 

Margaret Atwood: Não cabe a mim decidir. Para mim, significa algo que está trabalhando para a igualdade das mulheres, e estamos muito longe disso. E, por igualdade, quero dizer igualdade jurídica, igualdade política e igualdade social.

Entrevistador Variety: Por que a adaptação cinematográfica de The Handmaid's Tale não funcionou? 

Margaret Atwood: O filme foi em 1990, o roteiro era de Harold Pinter, e incluía a narração da personagem central. E então o diretor, estando em uma fase minimalista, retirou-a. Eu acho que teria sido melhor com isso. Natasha [Richardson], que eu conhecia, veio a mim irritada, ela gravou toda a narração e adaptou sua performance se baseando nela. Era muito mais parecido com o que temos agora, no qual você ouve Offred pensar de tempos em tempos.

Entrevistador Variety: Você ficou otimista quando eles a disseram que estavam fazendo um programa de TV? 

Margaret Atwood: Eu não tenho controle de decisão deles fazerem um programa de TV ou não. A MGM e Danny Wilson foram os responsáveis pelo filme. Quando o escrevemos em 1989, a única série de TV que existia era basicamente "Dallas". Eram novelas. "Dallas" é muito boa. Então, o web streaming apareceu e criou uma plataforma totalmente nova. Havia muita história para 90 minutos. Essa é outra resposta para o motivo pelo qual o filme não funcionou.



Entrevistador Variety: O showrunner Bruce Miller disse que poderia haver 10 temporadas de The Handmaid's Tale.

Margaret Atwood: Dez parece muito para mim. Mas ele está investido nisso. Precisamos nos sentar e conversar sobre como isso pode virar 10 temporadas.

Entrevistador Variety: Ele já te contou o plano dele? 

Margaret Atwood: Não, porque acho que ele ainda não sabe. Mas talvez ele faça!

Entrevistador Variety: Quão envolvida você está na série? 

Margaret Atwood: Eu leio todos os roteiros e falo com Bruce. Eles até me deixaram entrar na sala de roteiristas, mas foi antes de terem escrito qualquer coisa em seus grandes quadros brancos para a segunda temporada.

Entrevistador Variety: O que está diferente na segunda temporada? 

Margaret Atwood: Eu não tenho permissão para falar sobre isso.

Entrevistador Variety: Você viu? 

Margaret Atwood: Eu li todos os roteiros e vi o primeiro episódio. Eles não terminaram todos.

Entrevistador Variety: Você passou muito tempo com Elisabeth Moss antes de começar a filmar? 

Margaret Atwood: Não muito. Foi principalmente Bruce. Eles estavam filmando a metade da primeira temporada quando a eleição aconteceu. Eles acordaram na manhã seguinte e disseram: "Nós somos uma série diferente." Nada sobre a série mudou, mas a situação mudou.

Entrevistador Variety: Netflix tinha recusado a série. 

Margaret Atwood: Eu acho que eles não acharam que era a hora certa, ainda.

Entrevistador Variety: Se Hillary fosse presidente, a série não teria funcionado? 

Margaret Atwood: Teria funcionado como uma série, mas não teria funcionado da mesma maneira. Claro que não. Você sempre vê essas coisas através das lentes dos eventos que ocorreram. Charles Lindbergh parecia uma possibilidade para o presidente dos Estados Unidos na década de 1930. Mas em 1942, ele não era mais. Por quê? Porque os Estados Unidos estavam na Segunda Guerra Mundial e ele era um fascista.

Entrevistador Variety: Você ficou surpresa por Trump ter sido eleito? 

Margaret Atwood: Eu sou velha demais para me surpreender. Pense em quanto tempo estive no planeta. Eu vi muitas mudanças de regime em diferentes países. As pessoas que ficaram devastadas são jovens que nunca tinham experimentado nada do tipo. E alguns deles ficaram bastante chateados. Mas não é o fim do mundo, embora seja muito ruim para o meio ambiente.

Entrevistador Variety: Você participou de uma das marchas femininas no ano passado. O que você acha dessa última onda de ativismo? 

Margaret Atwood: Normalmente, ondas são ondas. Elas atingem a costa e então elas recuam e então elas atingem a costa novamente. Quantas repercussões passamos? Costumávamos fazer uma corrida, para ver qual venceria, entre "1984" e "Admirável Mundo Novo". Parecia que "Admirável Mundo Novo" havia vencido. Isso acabou não sendo verdade. Só para lhe dar uma sensação muito assustadora, houve uma ópera de The Handmaid's Tale que estreou na Dinamarca em 2000. Começou com um rolo de filme passando pelo topo do palco e mostrando várias coisas explodindo. E uma das coisas que explodiram foram as Torres Gêmeas. Mas ainda não tinham explodido. Eles fizeram a ópera novamente, e tiveram que tirá-la, porque não estaria mais no futuro. Isso lhe dá um sentimento assustador?

Entrevistador Variety: Sim. 

Margaret Atwood: Eles não tiraram essa ideia da minha ópera, não se preocupem. Eles tiveram a ideia de "Star Wars".

Entrevistador Variety: Realmente acredita nisso? 

Margaret Atwood: Lembre-se do primeiro? Dois caras pilotam um avião no meio de algo e explodem isso? A única diferença é que, em "Star Wars", eles escapam. Logo após o 11 de setembro, eles contrataram um grupo de roteiristas de Hollywood para contar como poderia ser a próxima história. Os escritores de ficção científica são muito bons nessas coisas, antecipando eventos futuros. Eles não se realizam, mas há cenários interessantes de "e se?!".

Entrevistador Variety: Você já teve um bloqueio de escritora? 

Margaret Atwood: Não, nunca sinto que não posso escrever. Eu às vezes sinto que não posso escrever a coisa que estou escrevendo. Se é ruim, tenho que parar e escrever outra coisa.

Entrevistador Variety: Você tem muitos romances abandonados? 

Margaret Atwood: Dois romances longos que eu fiz. Eles eram estruturalmente impossíveis. Foi estupidez da minha parte ter tentado fazer aquilo que eu estava tentando fazer. Por um lado, eu tinha 200 páginas. Eu estava interessada nas pessoas. Mas eu tinha 200 páginas e nada havia acontecido.

Entrevistador Variety: Você escreve à mão ou em um computador? 

Margaret Atwood: Uma combinação. Mas eu sempre edito no papel na fase final. Eu não diria que já escrevi algo inteiramente em um computador. E desde que os computadores foram inventados, eu nunca escrevi nada inteiramente no computador e nunca escrevi nada inteiramente em uma máquina de escrever. Fiquei feliz quando eles inventaram a correção ortográfica.