Handmaid's News

Crítica | Alias Grace pode agradar com atuação, mas não impacta como The Handmaid's Tale

Sarah Gadon como Grace Marks
Alias Grace ainda tem alguns elementos para conquistar-nos após The Handmaid's Tale

Atenção: contém spoilers da primeira temporada de Alias Grace!

As estrelas e produtoras se juntaram em favor do público para que possamos aproveitar as adaptações de duas obras de Margaret Atwood no mesmo ano. Após o sucesso de The Handmaid's Tale, agora vem no formato da minissérie de seis episódios, Alias Grace, que adapta a novela homônima publicada também pela autora canadense em 1994.

Neste caso, o gênero é uma ficção histórica, Atwood narra o caso real de Grace Marks, uma imigrante irlandesa que chegou ao Canadá no século 19 e aos 16 anos foi sentenciada e presa pelo assassinato da governanta na casa em que trabalhou como empregada doméstica. Uma empregada diferente da de The Handmaid's Tale, mas que também viveu uma vida cheia de dificuldades e maus tratos numa era que parece uma distopia.

Além da toca que ela usa em sua cabeça, Alias Grace mantém algumas outras semelhanças com The Handmaid's Tale: a protagonista conta sua história em primeira pessoa; a voz nos permite acessar seus pensamentos, que às vezes contradizem suas ações, ela retrata ao mesmo tempo que critica a sociedade e a situação das mulheres no tempo em que ela se desenvolve.

Atwood confiou nos documentos públicos do julgamento de Grace Marks, correspondência e recortes de jornais da época e, para construir sua história, criou o personagem de Simon Jordan, um alienista (nome dado aos psicólogos na época) contratado por um grupo interessado em analisar Grace e preparar um relatório que serve para provar sua inocência.

Para fazer isso, ele deve ajudá-la a lembrar os eventos que ela alega não lembrar. Através dos monólogos internos de Grace e das conversas que ela tem com o médico, conheceremos sua história, passando por todos os momentos que definiram sua vida, até a hora atual da narração.

Em meados do século XIX, no Canadá, Alias Grace explora a situação política do momento, as diferenças de classe, a injustiça, a pobreza, a repressão e a opressão. Às vezes, a história também tem algo de horror gótico, devido ao tom da narrativa de Grace, a influência de sonhos e imagens do subconsciente e superstições, como janelas que devem ser abertas para que os espíritos possam escapar.

O trabalho de Atwood e a minissérie exploram as dualidades em que as mulheres são sempre emboscadas e trancadas: anjo ou demônio, manipulador ou vítima, ingênuo ou louco. Neste caso, Grace é uma mulher condenada por assassinato que muitos julgaram por sua aparência: ela parece tão doce e bonita que é incapaz de cometer um crime tão hediondo; ela parece tão doce e bonita que é capaz de seduzir a todos e destruí-los.

Sendo baseada em um caso real, Alias Grace também explora o misticismo que envolve os criminosos até se tornarem celebridades e o fascínio que nasce da morbidade inata do ser humano, que sente um estranho prazer por ter descoberto suas motivações.

Edward Holcroft é Simon Jordan
A brutalidade das histórias da vida de Grace parece exercer um efeito de miséria pornográfica e sedutora sobre o personagem de Simon Jordan. Grace está ciente de como o mundo a vê e que as opiniões sobre ela não mudarão quando forem efetivadas, então ela decide reapropriar a imagem criada em imaginários coletivos e desenvolve sua própria narrativa de acordo com o interlocutor na frente dela. Decidindo o que, como e quanto contar em cada momento. Alias Grace é uma história sobre como lembramos e contamos as histórias. Grace é o que chamaríamos de narrador não confiável, mas não somos todos assim?

Sarah Gadon com Paul Gross
Os pontos fortes da minissérie:

Sarah Gadon (de 11.22.63 do Hulu) como Grace. Na primeira cena da série captura todas as nuances de sua personagem, sua narração é completamente magnética e consegue transmitir todas as sutilezas e manipulações do tom que requer a construção de sua história. Os momentos em que ela continua sua narração sem a presença do interlocutor são fascinantes.

Rebecca Liddiard com Sarah Gadon
Rebecca Liddiard (de Slashers) como Mary Whitney. Ela é uma personagem vital da vida de Grace, inspirou-a e quis dizer que ela despertou para muitas realidades, a atriz apaixona o espectador e suas cenas são memoráveis.

Alias Grace é a história de Grace, mas o elenco também inclui o diretor David Cronemberg, como Reverendo Verringer; Edward Holcroft (London Spy, Wolf Hall), como o doutor Simon Jordan; Anna Paquin, como Nancy; e Zachary Levy (Chuck), como Jeremiah.

Anna Paquin como Nancy
A construção da narrativa nos cativa episódio por episódio, embora estejam nos contando uma história. Quando se acaba, queremos seguir, como Simon, a história em que Grace decidiu deixá-la; ela ajusta o ritmo e dançamos ao ritmo dela.

A adaptação de Sarah Polley (Stories We Tell, Take This Waltz) sabe ser fiel ao romance, evocando os momentos mais importantes e as frases mais memoráveis, e ignorando alguns detalhes, como foi demonstrado, poderiam ser dispensados sem afetar o resultado final. Você pode dizer que ama, admira e respeita o trabalho original.

Talvez o ponto que parece ser menos forte no início é a seção técnica. Os seis episódios foram dirigidos por Mary Harron (American Psycho) e, embora Alias Grace não tenha os níveis de produção de The Handmaid's Tale, ela tem momentos muito inspirados e, acima de tudo, não tem medo de mostrar a brutalidade da situações que exigiram isso, um efeito que é ajudado com a edição.

Margaret Atwood faz uma participação em um dos episódios a exemplo de THT
Margaret Atwood ficou fascinada com a verdadeira história de Grace Marks depois de ler em seus anos de faculdade o livro Life in the Clearing vs. The Bush que compilou os fatos sobre o caso, publicado por Susanna Moddie depois de encontrar Grace na prisão em 1953. Naquela época, os indivíduos podiam ver assassinos famosos em suas celas como se fosse um circo.

Atwood escreveu uma peça inspirada na história de Grace Marks que foi adaptada para a televisão canadense em 1974, 22 anos antes de publicar o romance Alias Grace.

Embora distribuída pela Netflix internacionalmente, Alias Grace é uma produção canadense. A série estreou em 25 de setembro no canal CBC. 

Alias Grace, mesmo não tendo o impacto de The Handmaid's Tale pode impressionar com efeitos da época, atuação memorável e um toque de terror psicológico que vale parar uma tarde para assistir.

Crítica de Marcos Snigura