Handmaid's News

Samira Wiley fala de amor, ativismo e segunda temporada a Stylist Magazine

Samira Wiley

Depois de estrelar o programa de TV mais falado do ano, Samira Wiley, de Tale's Handmaid's, traz sua própria marca de beleza e as combinações de cores indispensáveis. Ela foi a capa da Stylist Magazine dessa semana e revelou alguns detalhes da segunda temporada da série.

Se The Handmaid's Tale tenha sido a coisa mais importante na TV este ano (e todos concordemos), então Samira Wiley é uma herói do drama distópico. Como Moira, a lésbica ativista em um mundo onde as mulheres férteis são obrigadas a se tornar servas, ela foi corajosa e desdenhosa. Enquanto o destino de Offred (Elisabeth Moss) era questionável, nunca houve dúvida de que Moira sobreviveria ao brutal regime de Gilead; na verdade, Wiley já está filmando a segunda temporada em Toronto.

Samira Wiley

Wiley foi nomeada para o Emmy por seu papel (por mehor atriz coadjuvante em série de drama). É a nomeação de seu primeiro prêmio, mas ela está calma - talvez porque sua mãe Christine, que está na cidade para a ocasião, veio com ela hoje. Entre a modelagem das combinações de cor mais ousadas da nova rua - um contraste com os uniformes que estamos acostumados a vê-la na tela - ela é humilde e engraçada, falando de sua aversão ao usar sapatos no tapete vermelho e como sua esposa está escrevendo um novo programa de TV, mas tem que ir a uma cafeteria para trabalhar porque Wiley a distrai.

Foi a TV que juntou Wiley e sua esposa, Lauren Morelli, em 2012. Morelli foi escritora em Orange Is The New Black, na qual Wiley - formada pela prestigiada Escola Juilliard de drama em Nova York - estrelou como Poussey. Elas se casaram no início deste ano e os pais de Wiley, que moram em Washington DC ("praticamente na rua da Casa Branca", Wiley diz) foram oficiados em seu casamento.

Samira Wiley

Wiley não levou para casa o Emmy na noite seguinte - foi para Ann Dowd, que interpreta a tia Lydia na série. Mas concordamos que Wiley também merecia, na tela, ela é magnética, poderosa, sem esforço. Elisabeth Moss está de acordo. "Agir como Samira é como estar em uma bela partida de boxe ou tênis", diz ela ao estilista. "Ela reage fisicamente e emocionalmente a cada refluxo e fluxo. Ela é uma das atrizes mais atuais que eu trabalhei ".

Sobre sua personagem Moira, Wiley diz que aprendeu muitas coisas sobre ela mesmo através da personagem. "Moira é alguém que se levanta independentemente, e você vê o quão empoderador é isso. Há tantas semelhanças entre mim e Moira. Na realidade, há uma mulher gay negra - mesmo que essa frase seja algo que nem sempre fui capaz de dizer, porque eu estava com medo disso. Minha própria identidade, e estar confortável com quem sou, é algo com o qual estou me sentindo mais confortável. Eu cresci na igreja - e meus pais sempre foram muito solidários - mas quando eu comecei nesta indústria, muitas pessoas me disseram que não deveria estar aberta com quem eu sou. 

Samira Wiley

Você pensaria que essa ideia é arcaica, mas havia um cara na minha classe [de drama] que também era gay e nós tínhamos esse plano de que caminharíamos no tapete vermelho juntos, se nós dois tivéssemos fama. Estávamos tentando esconder nossa identidade. Eu não tinha ideia de que um dia eu seria corajosa o suficiente para dizer: "Isto é o que eu sou". Eu tenho a responsabilidade de ser aberta e honesta e minha esposa me ensinou muito sobre a bravura com sua própria história. A escolha de ser corajosa foi a jornada da minha vida. Dos personagens que toco, tento pensar quais traços deles eu gostaria de tirar. Moira incentiva as pessoas a falarem; Nós olhamos para esta era Trump e esse clima político e não podemos nos dar ao luxo de ficar em silêncio ou viver mais nas sombras."

Sobre a segunda temporada de THT, Wiley disse: Quando cheguei a Toronto, houve um grande livro esperando por mim com os contornos do primeiro terço da temporada, o que foi tão emocionante. A primeira temporada fala tanto sobre as colônias onde "unwomen" são tomadas e deixadas para morrer ou trabalhar com resíduos tóxicos. E nesta temporada vamos encontrar as mulheres lá. Estou entusiasmado com isso, mas não é um lugar feliz [risos], então ainda está no lado mais sombrio. Veremos Moira no presente, a sua vida antes e mais de uma imagem completa de quem é essa mulher.

Sobre ter uma segunda temporada sem a segurança de um livro escrito, Wiley comenta: Para mim agora é excitante, e Margaret [Atwood] está a bordo para a segunda temporada, o que é ótimo. Houve tanta pressão no ano passado; Este livro é tão amado. Eu sinto que existe um pouco mais de liberdade [agora]. Nós nos provamos, de certa forma, e agora podemos abrir as asas.

Wiley ainda completa a entrevista com otimismo em uma futura América livre, uma menor opressão de raças e ainda sobre seu novo projeto: Ryan Hansen Solves Crimes On Television, uma comédia, so YouTube Red que estreia esse mês de outubro nos Estados Unidos. Você pode conferir a entrevista completa neste link, que foi publicada na edição dessa semana da Stylist Magazine.