Handmaid's News

Margaret Atwood, de 80 anos, expressa apoio aos transgêneros


Uma mulher sábia!

Margaret Atwood, a escritora de O Conto da Aia, usou o Twitter ontem (6) para expressar apoio aos transgêneros, abordando indiretamente as declarações de J.K. Rowling, consideradas preconceituosas por muitos.

A autora linkou um artigo da revista Scientific American sobre sexo e gênero: "Um pouco de ciência aqui. A biologia não lida com compartimentos separados, como masculino ou feminino. Todos nós fazemos parte de uma curva. Respeitem isso! Deliciem-se com a infinita variedade da natureza!".


Usuários do Twitter tentaram argumentar com Atwood, dizendo que seus livros mostram claramente como mulheres são oprimidas por nascerem mulheres. A escritora respondeu apontando que outros fatores se acumulavam para que uma mulher fosse encaminhada para a vida de aia em "O Conto da Aia", por exemplo.

"No livro, elas precisavam ser: divorciadas (Gilead não permite o divórcio) e férteis, ou imorais (embora estas pudessem se tornar Jezebéis). As mulheres que só se casaram uma vez seriam esposas (com alto status social). Algumas poderiam escolher o celibato, e se tornar Tias ou Marthas", explicou.

Continua após a publicidade


A escritora respondeu a uma seguidora que dizia que ela era "melhor" que J.K. Rowling: "Bom, não é bem por aí também. Não sou 'melhor'. Pessoas diferentes são boas em coisas diferentes". "É preciso sempre entender os medos das pessoas. Muito dessa discussão parece ser sobre banheiros", escreveu ainda, se referindo à preocupação sobre mulheres trans usando banheiros femininos. "Há muitas formas inventivas de resolver esse problema. As pessoas são criativas, não são?".

"Também existem pinguins gays por aí. Existem pessoas e animais hermafroditas. O que o artigo que eu postei está dizendo é que sexo e gênero nem sempre estão juntos, e não são experimentados pelas pessoas da mesma forma. Acho que isso é inegável", completou.