Handmaid's News

Dear White People acusa The Handmaid's Tale de "feminismo branco", Assista!


Palmas pela coragem

Cada temporada de Dear White People lida com uma história abrangente que percorre todos os episódios, e em cada temporada os estudantes da Universidade de Winchester também se interessaram por alguma série de televisão fictícia. A primeira temporada fez com que eles assistissem por uma série referenciando Scandal chamada Defamation, e a segunda temporada teve algo como Empire, Prince O' Pal-ities.

Mudando de assunto mais uma vez na terceira temporada, Dear White People inclui uma paródia de The Handmaid's Tale. A paródia não traz absolutamente nada de novo quando se trata de racismo, feminismo e o status de Elisabeth Moss como cientologista.

No início da temporada, Samantha White (Logan Browning) é fisgada pela série, apesar de seu namorado Gabe (John Patrick Amedori) ter dúvidas sobre isso. "Essa série não é um pouco feminismo branco para você?", ele pergunta enquanto assiste a outro episódio, com Sam respondendo de volta: "Eu quero que essa branca da ficção seja livre." De acordo com Sam, ela está assistindo porque ela e seu falecido pai costumavam criar teorias sobre a série, então agora tem um lugar sentimental em seu coração.

Dear White People não está apenas satirizando The Handmaid's Tale, mas também nossa protagonista, Elisabeth Moss. Moss é uma cientologista e o tópico surge com recorrência depois que passou a interpretar o papel de uma personagem que representa tanto para o feminismo, à luz dos tópicos retratados e a postura polêmica da cientologia sobre isso, incluindo a homossexualidade.

Um usuário no Instagram, até perguntou se a série fez Moss "pensar duas vezes sobre a cientologia" já que "ambos Gilead e cientologia acreditam que todas as fontes externas são erradas ou más". Em uma das raras vezes que a atriz se pronunciou sobre o assunto, ela explicou em resposta ao comentário:

"Liberdade religiosa e tolerância e compreensão da verdade e direitos iguais para todas as raças, religiões e credos são extremamente importantes para mim. As coisas mais importantes para mim provavelmente. E assim Gilead e THT me atingiram em um nível muito pessoal. Obrigada pela interessante questão!"

Continua após a publicidade


Ela girou em torno da pergunta sem realmente responder, que ela tende a fazer toda vez que a birra cientologia versus The Handmaid's Tale é criada e faz isso com razão, até onde podemos questionar a liberdade das outras pessoas?

Enquanto Moss não se pronuncia, Dear White People mexe na ferida, como Gabe brinca com Sam: "Eu ouvi que a atriz que interpreta July [na paródia é 'July', não 'June'] está realmente em um culto e não entende a ironia [da série]."

A crítica de Dear White People em The Handmaid's Tale focar em personagens majoritariamente brancos e deixar personagens negros de lado até poderia ser válida, outras pessoas já têm levantado o assunto nas redes sociais, mas se assistirem com atenção ao programa televisivo do Hulu, certamente repensariam a crítica.

No livro, Gilead considerava pessoas negras amaldiçoadas, então em sua ascensão, houve uma purificação racial. Já a série, abriu brechas para a inclusão de personagens negros, como Moira, Hannah, Luke, Rita, Brianna, Comandante Horace, Natalie (Ofmatthew), dentre outros. Ainda assim, pela supremacia branca de uma sociedade como Gilead, o racismo está presente, na terceira temporada, ao escolherem o destino das aias, tia Lydia revela que uma família não queria uma aia negra.

Margaret Atwood seguiu a linha lógica de um sistema totalitário ao escrever O Conto da Aia com algumas exclusões, a série está em outra época e tentou dar outros ares pra coisa. Se Dear White People não está feliz com isso, deveriam estar com os problemas que The Handmaid's Tale vem evidenciando e os movimentos feministas que tem inspirado.

Caso o player não funcione, clique no título do vídeo.