Handmaid's News

Elisabeth Moss: "A Resistência é mais complicada que vestir uma fantasia e criar um cartaz"


Elisabeth Moss falou sobre sua personagem em entrevista ao Harpers Bazaar

Estamos acompanhando a Resistência que começa a dar seus primeiros passos na derrubada de Gilead. Nos momentos de abertura do episódio quatro, June analisa as pessoas ao seu lado: "Quem entre eles pode ser persuadido?" ela se pergunta, "Para queimar essa merda de lugar?"

Em entrevista ao Harpers Bazaar, Elisabeth Moss afirma que a luta para derrubar Gilead sempre foi muito maior do que a dicotomia simples do bem contra o mal. "Eu estava ansiosa para fazer algo com essa personagem, é muito mais complicado do que entrar, vestir uma fantasia vermelha e criar um cartaz", diz ela. "Essa é uma maneira bonita de fazer as coisas. Seria ótimo se pudéssemos todos liderar a Resistência assim, mas é muito mais difícil."

Os primeiros quatro episódios da terceira temporada de The Handmaid's Tale mostram as tentativas de June para gerar discórdia: Tentando (e fracassando) mover Martas através de Gilead para ajudar os rebeldes, apelando para a humanidade do inescrutável Comandante Joseph Lawrence, e tentando provocar mais Serena. "Ela percebe que tem que ser mais implacável do que eles. Ela precisa ser mais cruel. Ela tem que estar disposta a fazer qualquer coisa a um que atrapalhe. Ela tem que se tornar uma deles, a fim de vencê-los jogando seu próprio jogo. Isso é o que a verdadeira líder de uma resistência deve fazer."

Continua após a publicidade


Nos momentos finais do quarto episódio, June recebe uma prova tangível da segurança de sua filha em forma de vídeo, a bebê Nichole no colo de Luke em um protesto contra o regime de Gilead no Canadá. Essa revelação terá consequências para June, os Waterfords e Gilead como um todo nos próximos episódios. A ação de June surpreenderá, acrescenta Moss. "June percebe através de muita dor e tristeza, é a mudança que acontece nela", Moss revela, escolhendo cuidadosamente as palavras do campo minado dos spoilers, segundo o entrevistador do site. "É parcialmente o que este mundo fez com ela. Ela não é mais aquela pessoa dos flashbacks. Ela fez e fará coisas que nunca será capaz de voltar ao que era", continua ela.

Sobre June ter permanecido em Gilead no final da segunda temporada, Moss defende. "Se eu não estivesse bem com isso nós não teríamos feito, porque tenho uma conexão tão forte com June e meus colaboradores são realmente bons em ouvir o que eu acho que June faria ou deveria fazer e confiam nisso - o que é incrível. Eu amei. Não acho que ela tivesse escolha. Ela não podia deixar a filha. Claro, ela poderia ir para o Canadá e lutar do lado de fora e protestar e fazer o trabalho que estão fazendo lá, mas eles já estão fazendo esse trabalho. Ela é uma das únicas pessoas que podem lutar por dentro. Ela é uma das únicas pessoas que podem se infiltrar em Gilead."