Handmaid's News

Review | The Handmaid's Tale S03


Este conteúdo é traduzido da review da terceira temporada de The Handmaid's Tale, escrita por Delia Harrington para o Den of Geek, a partir de um especial exibido para os críticos.

A terceira temporada de The Handmaid's Tale aborda um assunto que muitos de nós gostaríamos de ver: como fazer com que as mulheres no poder trabalhem em solidariedade com as pessoas com menos poder, para enfrentar os homens que as oprimem. Há rachaduras na armadura de Gilead e essa sociedade fica em apuros quando as mulheres trabalham juntas. Mas as coisas se desfazem desastrosamente assim que essa solidariedade se curva em favor dos interesses individuais. O Comandante de Christopher Meloni, Winslow, é um novo personagem intrigante e Bradley Whitford retorna para esclarecer seu obscuro Comandante Joseph Lawrence, mas o mais importante é que Beth, de Kristen Gutoskie, está de volta, tirando o máximo de seu papel como a nova Marta de Lawrence. 

Enquanto alguns fãs foram contra a decisão de June de ficar para trás na última temporada e mandar Nichole para o Canadá com Emily, essa escolha tem efeitos que são inteiramente para melhor. Por um lado, isso desloca mais a atenção da série para o Canadá sem sentir que abandonamos a necessidade de seguir inteiramente a Gilead. O Canadá é muito mais afetado desta vez, fazendo com que Gilead se sinta mais eficaz como parte da comunidade global e fundamentando a história na realidade interpessoal que é, em última análise, formada por apenas algumas pessoas, apesar da gravidade geopolítica.

A decisão de June de ficar e voltar para a casa dos Waterford, interfere de maneiras que ela nem poderia imaginar. O tabuleiro de xadrez é completamente redesenhado e leva a alguns momentos genuinamente conquistados que antes pareciam impossíveis. Atendendo a uma das maiores reclamações sobre a segunda temporada, demonstrações mais fortes são drasticamente reduzidas, em favor de ter a confiança no mundo que construiu e as histórias que tem para contar. 

Continua após a publicidade

As nossas telas são (por enquanto) as Salvagings e as Cerimônias. Em vez de imaginar novas iterações de pesadelos baseados em gênero, a temporada se baseia em definir os personagens que conhecemos e permitir que a realidade emocional de pessoa para pessoa de Gilead fale por si. De alguma forma, June e tia Lydia chorando juntas (e o que significa que ambas estão chorando) é mais afetivo do que se, digamos, os Guardiões tivessem envenenado June e amarrado a ela.

Um dos pontos mais fortes da temporada é a vontade de deixar os personagens de lado por quanto tempo a narrativa exigir. É bom ver Rita e Nick na tela, mas, realisticamente, à medida que o mundo se expande e avança, só faz sentido em certas circunstâncias. The Handmaid's Tale não tem medo de deixá-los definhar por alguns episódios, trazendo-os de volta quando são necessários. Mas ninguém pára nos bastidores em Gilead - parece ser uma época de grande transição para o país, e todos estão progredindo de alguma forma. Para uma série que se apóia em sua ponderação, esse tipo de dinamismo ajuda a dar o tom para um ritmo novo e estonteante em Gilead. 

Esta temporada se expande além da Gilead que conhecemos. Isso significa mais tempo no Canadá e no resto de Gilead. No entorno imediato de June, temos outra visão da vida miserável do lado de fora da cidade perfeita, onde Martas e as Econopessoas vivem e as coisas não são tão brilhantes. Muito foi visto do elenco em DC, e as imagens de lá são impressionantes para dizer o mínimo. Meu único suspiro audível até agora nesta temporada veio de um monumento aumentado (provavelmente não o que você pensa), mas DC é mais do que apenas o visual. É hierarquia, é o futuro de Gilead, é tudo o que os comandantes estão querendo e tudo o que as aias temem. 

Deve ser dito que este ainda é um dos espetáculos mais belos da televisão. Desde os figurinos e cenografia até a direção - é lindo de se ver. Os diretores Mike Barker, Amma Assante e Dearbhla Walsh fizeram um trabalho fantástico com os episódios dos críticos. 

A terceira temporada de The Handmaid's Tale ameniza o show de horror e se concentra na realidade emocional de seus personagens, mesmo que nem todos sejam exatamente quem eles pareçam ser. Gilead ainda tem mais para nos mostrar. 

Então, quais suas expectativas para a temporada? Tem algo a acrescentar? Comente abaixo sua opinião. No Brasil a terceira temporada estreia em 15 de junho no Paramount+ (streaming), ainda sem data para TV. Aqui no site disponibilizaremos legendas ainda no dia 5 de junho.