Handmaid's News

"A Woman's Place", o livro nada feminista de Serena


Serena escreveu um livro para as mulheres, mas se esqueceu de escrever algo bom nele

O episódio seis da primeira temporada de The Handmaid's Tale nos oferece um deslumbre a Serena Joy, e como ela era antes que o regime de Gilead a reduzisse a uma cidadã silenciosa e submissa que nem sequer pode ler. Em sua vida anterior, ela foi uma escritora muito respeitada - ou não, como vimos na segunda temporada. De qualquer forma, o livro de Serena Joy, "A Woman's Place", não é nada feminista.

Mesmo que você não possa ler o livro de Serena, é fácil ter uma noção do que ela estava tentando dizer, e como seus pontos de vista ajudaram a criar a prisão em que ela está agora em Gilead. Em um flashback, após uma discussão sobre seu primeiro livro e os benefícios do "feminismo doméstico", Serena conta ao marido que tem uma ideia para um segundo livro. Ela quer escrever sobre como a fertilidade pode ser usada como recurso e que a reprodução deve ser vista "como um imperativo moral". 

Para Serena e, para maioria da Esposas de Gilead, o papel de mulher dona de casa que só serve aos filhos é algo sagrado, "imperativo", já ilustrado muito bem em passagens bíblicas que são usadas de plataforma de Gilead. Mas o nascimento dessa sociedade teocrática ilustra muito bem que quando você transforma palavras em ação, as coisas nem sempre acontecem como planejado.